Vamos falar da Mariah Carey: Charmbracelet

A virada pro século XXI deve ter sido uma merda completa pra Mariah. Como falei no post sobre o gracinha "Glitter", sua carreira tava num total joga pra lá e pra cá e sua vida pessoal tava toda trabalhada no drama de novela mexicana. Pra completar ainda mais a situação lastimável, a bunita tentou virar atriz e encarou o tremendo fracasso comercial do filme "Glitter". 
Não me espanta nadinha que Mariah tenha acabado numa clínica de reabilitação, viu? 

O processo de criação do "Charmbracelet" ocorreu em Capri, na Itália, onde a bunita tirou suas merecidas férias pós-crise. Assim como todo lançamento dela, o álbum seria o mais pessoal de sua carreira... até o próximo sair daqui alguns anos. 
Mariah voltaria a trabalhar com seus produtores favoritos de r'n'b Jermaine Dupri e o duo Jimmy Jam e Terry Lewis, além de alguns novos. Segundo descobri, até que a intenção inicial do "Charmbracelet" não era a das piores, já que teria participação do Justin Timberlake (começando a ser fazível na época) e o eterno muso Michael Jackson. Bom, não preciso nem dizer que nenhuma dessas colaborações acabou sendo lançada, néam? 

Enfim, o "Charmbracelet" foi lançado em dezembro de 2002 e era aguardado pela crítica e fãs da Mariah como seu retorno triunfal numa nova gravadora e devidamente curada do seu piriri emocional. Tiro na água, meus amores. 
O tracking list final do álbum (sem Michael Jackon...) é o seguinte:

1- Through the Rain (single)
2- Boy (I Need You) (single)
3- The One (promo)
4- Yours
5- You Got Me
6- I Only Wanted
7- Clown
8- My Saving Grace
9- You Had Your Chance
10- Lullaby
11- Irresistible (West Side Connection) (promo)
12- Subtle Invitation
13- Bringin' on the Hearbreak (single)
14- Sunflowers for Alfred Roy
15- Through the Rain (Remix feat. Kelly Price and Joe)
16- Miss You (bônus das edições inglesa e japonesa) (promo)
17- I Know What You Want (bônus da edição inglesa)
CD bônus da edição especial da turnê:
1- There Goes My Heart
2- I Know What You Want
3- Got a Thing 4 You
4- The One (So So Def Remix)

"Charmbracelet" já abre logo com seu primeiro single, Through the Rain, uma baladinha bem nos moldes da "Can't Take that Away". Embora não seja péssima, tá longe de ser a balada mais bonita da discografia da Mariah e como abre-alas não vende o álbum. O remix r'n'b vem como última faixa e é pra lá de esquecível.
Boy (I Need You) é mais a cara das músicas que Mariah vem fazendo desde o "Daydream": r'n'b descarado e que merece peidos na água. Assim como o single anterior, não fez aquele sucesso absoluto. Talvez por não ser nada de mais, néam? Fika a dika. The One, que era pra ter virado single, mas acabou engavetada, também não é nenhuma grande novidade. Um r'n'b inofensivo.
Yours mantém essa pegada diva do gueto do "Charmbracelet". Até aqui, "Through the Rain" parece ser a estranha no ninho. Com You Got Me, a chatice persiste. Xente, estamos na quinta faixa e já cansei desse álbum. Posso parar por aqui?! Aim, não posso deixar de dizer que não SUPORTO a voz do Jay-Z. Puta cara chato (e feio)!

I Only Wanted começou e eu pensei Oba... baladinha com pegada latina pra salvar a xente. Quase que me enganei quando começou a batida, mas ufa... Uma baladinha prima distante de "My All". Bonitinha, vai... No meio de tanta música chata, essa se salvou da fogueira.
Aí vem Clown, que quebra a possibilidade duma mudança positiva no "Charmbracelet". Obrigada, "Clown" do caralho. O refrão com a Mariah sussurrando rapidinho umas besteiras quaisquer é... assim... enfim, deixa pra lá.
O que esperar duma música chamada My Saving Grace? Achei que vinha um coral gospel dramático, mas ao invés temos uma baladinha r'n'b que não fede, nem cheira. Já You Had Your Chance fede mais do que cheira. Fede a mesmice.
Bom, Lullaby, embora mais do mesmo (ou seja, Mariah com aquela voz sussurrada e longe do seu poder vocal), tem batidas interessantes. Outra que se destaca no meio de tanta porcaria. Irresistible (West Side Connection) também se sobressai por sua produção legalzinha. Podia ter virado single com vídeo clip e tudo mais.

Subtle Invitation é mais uma música que parece deslocada no "Charmbracelet" com sua pegada de "ao vivo num barzinho qualquer". Uma gracinha, mas nada se compara à dramática Bringin' on the Heartbreak. Uma balada forte onde Mariah pode gritar e se acabar sendo a diva do rock de mentirinha. Adoro desde a primeira que a ouvi!
Sunflowers for Alfred Roy é aquele momento típico nos álbuns da Mariah em que a bunita decide falar sobre sua vida pessoal com uma baladinha bem simples. Desta vez ela canta sobre a morte do pai. Com todo o respeito, não melou minha calcinha, Mariah...
No setor de faixas bônus, temos Miss You, um r'n'b onde pelo menos a voz da Mariah tá mais forte e não aquela porra sussurrada sem sal, e I Know What You Want, música do Busta Rhymes que fez sucesso na época e acabou saindo no CD da Mariah também. Não sei se é o vocal forte do Busta Rhymes, mas gosto bastante dessa música. Enfim, fez mais sucesso do que qualquer música lançada pela Mariah na época.

O "Charmbracelet" foi relançado pra divulgar a "Charmbracelet Tour" com algumas faixas novas. There Goes My Heart é uma gracinha e segue o mesmo esquema de "Subtle Invitation". Xente, se o "Charmbracelet" tivesse tido mais faixas assim produzidas pelo Marcus Vest talvez ele não teria sido a chatice que foi.
Got a Thing 4 You é... TERRÍVEL. Não consigo colocar em palavras como eu detesto essa tal de Da Brat. Ela já havia cagado em algumas coisas da Mariah no passado e decidiu voltar pra sentar em cima. Por fim, o remix de "The One" é bem melhor que a versão original! Não é nada que fará você querer ir pra buatchi, mas é um r'n'b bem digno.

Como tentativa de superação e renascimento da fênix, o "Charmbracelet" não conseguiu o esperado. Suas faixas são previsíveis e aumentam ainda mais a lacuna da Mariah que canta bem e a Mariah que brinca de cantar bem.
No espaço de três anos até lançar seu próximo álbum, teríamos a coletânia "The Remixes", que é o que o nome sugere. Um CD só de remixes dançantes e outro de r'n'b. Adivinhem qual a Maddyrain gosta mais? 
No próximo post, a emancipação da Mimosa.

Bringin' on the Heartbreak

Mainstream Version
Mainstream AC Version
RJ-Janman Mix
Junior Vasquez Extended Mix
Junior Vasquez Club Mix
Junior Vasquez Radio Edit
Global Soul Club Mix
Global Soul Mix Show
Global Soul Radio Edit
Global Soul Dub
Global Soul Acapella
Ruanne Emmenes Vocal Capture Mix
Ruanne's Roasted Coffee Dub
Deep Influence Anthem Mix
Deep Influence Radio
Heart Break Version
Heart Break Radio
Heart Break Instrumental
Heart Break Beats


Não tô ficando careca, naum! Só me faltava essa:
Xente, adógo essa música!! Neste cover do Def Leppard, Mariah coloca a piroca pra fora, bate com ele na mesa e grita "Sim! Eu posso ser uma diva do rock!". "Bringin' on the Heartbreak" é uma balada potente em que a guitarra vai crescendo até explodir no final, mas sem ser deslocada (como em muitas músicas da Celine Dion).
Super se joguem na Mainstream Version. Se você é anti-rock e prefere sua Mariah Carey mais no espírito clássico, temos a Mainstream AC Version, que também ahazza. Ainda nessa pegada toda, temos o RJ-Janman Mix, que foi usado no clip da música. Não é nenhuma grande novidade e só acrescenta uma coisinha aqui, outra ali na original.

Como dá pra ver, "Bringin' on the Heartbreak" pode não ter feito sucesso nas rádios, mas ganhou tratamento de diva para as buatchis (embora eu não me lembre de já ter ouvido alguma versão nas pistas daqui). Junior Vasquez já havia perdido seu brilho há muito tempo quando foi chamado pra remixar a música. O Junior Vasquez Extended Mix tem todo o instrumental jogativo, mas os vocais da Mariah SUPER não casam com ele. O Junior Vasquez Club Mix dá uma melhorada nesse aspecto e é mais interessante.
O Global Soul Mix Mix, do Mike Rizzo, tá com a qualidade de som melhor que o Club Mix e é mais feliz nessa transição de balada pra club dance. Um remix super gostoso pra você se acabar na buatchi, meu amô! Se joga! Ainda nessa pegada club, temos o ótemo Deep Influence Anthem Mix. Super jogativo também.  

Pras bilus mais estranhas do recinto, temos o Ruanne Emmenes Vocal Capture Mix. Xente... como classificar isso? Ainda é dance... mas ninguém dançaria, entendeu? Interessante pela estranhice. O Ruanne's Roasted Coffee Dub eu gosto mais.
Por fim, pra dar uma acalmada nas bichas, tem o Heart Break Version, pra lá de promocional e feito por não sei quem. Mariah cantando no seu chill in, meu amô. Olha que chique!

14 Bilus felizes:

Bilu Demanding (mode: Lamb - on) disse...

E xegamos à minha música favorita da bunita, Bringin' On the Heartbreak. Não sei se é a incrível melodia, ou o vocal pós--apocalíptico de uma Mariah desistindo, a guitarra que não tem a com b, mas é simplesmente perfeita.
Já adiantei que o álbum seria aguinha suja, mas depois de um tempo ele fica tão queridinho, que nem ligo em ouvir a mesma coisa 8 vezes.
Um beijo, maddyrain, e até a emancipação de Mimi.

P.s.: Por que não falar do the remixes? Tem tanta coisa tudibão, ia render um post com remixes maravilhosos, que é o que importa nessa joça, né nón.

Maddyrain disse...

Aim, naum... com muito esforço ouvi uma vez inteira, imagine oito vezes! Isso é tortura chinesa, gato!

E não vou falar do "The Remixes" porque não é um album, néam? Nem single teve. E a próxima vez que chamar aqui de joça, vou atrás de você e chupo essa nequinha até não sobrar uma gota, okay?
Bicha abusada!

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Ain, sorry patroa, eu só reproduzo o que a senhorita diz. Amo esta casa. Beijos da Bilu Demanding.

Maddyrain disse...

Como dona desta budega, eu posso. Aloka, ficou com medo de eu chupar teu pau, néam? Só conta se é grande.. bonito... lustroso..

Um beijo,
Maddyrain

N disse...

Posso compartilhar mais variações:
-Acapella 4.08
-Call Out Hook 0.15
-Instrumental 4.39
-MIKE RIZZO Club Mix 8.38
-MIKE RIZZO Radio Mix 4.22
-TONY MORAN Club Mix 5.03
-TONY MORAN Radio Mix 4.00
-4.11

JM Devotion-Boy disse...

thanks, i've forget bout this song, 2003
JM

Fini disse...

Aqui foi o momento em que a Mariah olhou pra si mesma e pensou -o que eu tô fazendo, jesuis?- e resolveu resgatar sua alma das trevas. A emancipação é maravilhosa, mas alguma coisa diz no meu ouvidinho que você não vai gostar naum...

1 beijinho.

DJ Rick Mitchell disse...

Maddy, gata... I Only Wanted teve um remix promo do Memê, super garage dance, uma delícia. Uma pena que não colocaram nem essa versão dele ou o remix de Boy, do DJ Marco Vianna, que eu toquei na night e arrazava.
Beijão de um fã!

Maddyrain disse...

N, my love, please share with you. I didn't know there were an instrumental and acapella versions!

Fini... eu JURO que não tô esperando absolutamente NADA do próximo álbum dela...

DJ Rick, eu devo ter esse remix em algum lugar por aqui, viu?

Um beijo,
Maddyrain

Matheus disse...

Maddie, eu particularmente gosto do Charm. Mas ele é altamente repetitivo mesmo. Acho Subble Invitation/Bringin' on the Heartbreak é o melhor momento do disco. Já que você acabou a discografia da Chatéline Dion, pode falar sobre a suprema Whitney Houston, né?

N disse...

Here you go:
-Acapella 4.08
https://www.sendspace.com/file/oy1404
-Instrumental 4.39
https://www.sendspace.com/file/59gn1e
-MIKE RIZZO Club Mix 8.38
https://www.sendspace.com/file/4wzvrq
-MIKE RIZZO Radio Mix 4.22
https://www.sendspace.com/file/qb66zn
-TONY MORAN Club Mix 5.03
https://www.sendspace.com/file/iwynn6
-TONY MORAN Radio Mix 4.00
https://www.sendspace.com/file/an7cj7
-4.11
https://www.sendspace.com/file/266ndb

Washington Batista disse...

Gente, na boa, se vcs não gostam do Emancipation, sei lá, acho que vcs tem que virar fans da Taylor Swift, porque PQP!! Esse album é maravilhoso!! Fez muuuuuuuuuuuuuito sucessso, foi um Comeback que a Mariah merecia!
A beesha arrasou nos anos 2005 e 2006. Cantou em todas as premiações, ganhou em todas, gravou muitos programas na tv, teve muitos hits, e cravou uma performance épica no Grammy! E a sonoridade é perfeita! É uma black music inspirada nos anos 70 e 80 com letras e melodias perfeitas!!
Estou ansioso pela sua resenha, Maddy!!
Capricha nessa!!!
Bjs!

Maddyrain disse...

Thank you, N. You are a gorgeous angel!

Kisses,
Maddyrain

Maddyrain disse...

Aim, olha a bilu lamb baixando, hein Washington! Controle-se porque as chances de eu achar o álbum uma merda são grandes! Ainda espero por alguma doce surpresa como o "Glitter"...

Um beijo,
Maddyrain

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela