Perfumes: Etat Libre d'Orange Parte 1

Aim, tava com saudade de falar de perfumes com vocês, meus amores! Além disso, abordar mais esse tema foi uma das minhas metas pra 2015, então vamos reeducar esses narizes cansados de Axe e perfumes do Antonio Banderas no metrô com coisa boa! Só que a escolha de hoje vai fazer a bicharada levantar as pedras em minha direção porque vou falar duma marca de nicho que não vende no Brasil por enquanto...
Quando comecei a me interessar pela perfumaria de nicho, uma das marcas que mais me chamou a atenção foi a Etat Libre d'Orange [ELDO], que não é uma marca antiga. Foi fundada na França em 2006 por Etienne de Swardt (prazer, Maddyrain) e chamou a atenção da nação perfumista mais pelo seu marketing safadjénho do que pelas fragrâncias em si. Na verdade, acho que o momento em que a ELDO mais chocou foi com o lançamento de "Secretions Magnifiques", um dos perfumes mais polêmicos de todos os tempos.

Infelizmente, esta diva que vos escreve não conhece todos os 34 perfumes já lançados pela marca, mas tenho (e senti) uma quantidade boa. Como vocês já devem imaginar, quem se interessar por algum vai ter que garimpar online e arriscar uma compra no escuro. Atualmente é fácil encontrar várias fragrâncias no Ebay, mas com a alta do dólar, quem é que se empolga? Ninguém, néam? Nem eu!
Bom, a maioria dos perfumes da ELDO são unissex, mas é muito comum com fragrâncias deste tipo que alguma nota tida como mais feminina ou masculina se destaque. Também é comum que o universo de nicho apresente perfumes de difícil aproximação e construção duma relação de amor e carinho, mas, tirando "Secretions Magnifiques", os perfumes da ELDO são bastante gostosos e usáveis. Ninguém vai sair por aí cheirando a pneu de carro ou arbusto mijado. Mas se alguém estiver com vontade de feder a porra, mijo e suor.. 

Divin' Enfant (2006) - eu tenho pra mim... assim, minha opinião apenas... que a primeira leva de perfumes lançados pela ELDO tinha como objetivo mesclar notas florais com algum elemento completamente diferente e inusitado. Uma abordagem surrealista, eu diria. Divin' Enfant é a combinação da flor de laranjeira com tabaco, couro e café. As notas de saída são bastante luminosas (o lado mais angelical da criança) com presença marcante (e sufocante se aplicado com fé na piruka) da flor de laranjeira e marshmallow. A beleza de Divin' Enfant está na passagem dessas notas femininas pra base masculino de tabaco, couro e um leve toque de café. Uma fragrância gourmand curiosa.

Encens et Bubblegum (2006) - ainda nessa linha divino/profano, Encens et Bubblegum tinha tudo pra ser interessante, mas morre sem nem chegar perto da praia. A saída frutal com notas de framboesa e pêssego até consegue criar um ar de chiclete bastante artificial, mas cadê o incenso? Cadê a adolescente petulante mascando chiclete na igreja? Ficou pra trás no caminho e foi logo esquecida por todos.

Jasmin et Cigarette (2006) - aqui a contraposição de elementos distintos é mais bem sucedida, mas não mais interessante. Uma combinação esquisita de jasmim com leves toques de tabaco. Nada marcante, por sinal. Outro perfume fácil de ser esquecido... tanto por quem o passou como por quem o sentiu.

Nombril Immense (2006) - ou "Umbigo Enorme"... xente, que nome! Por mais estranho que possa parecer, eu consigo fazer a associação da fragrância com o nome. Vou tentar explicar: as notas que mais se destacam na minha pele são o patchuli, resinas e vetiver. Parece que você voltou aos anos 60 e pra casa confortável e acolhedora de algum hippie sujo. É um cheiro que também me lembra um casaco sendo tricotado pela sua vó... Aim, enfim... acho que viajei e viajei, mas não passei minha ideia. Bom, é uma fragrância terrosa e com fixação boa, mas tem que gostar do patchuli, porque ele é a estrela deste show.

Rien (2006) - de "nada" esse perfume não tem absolutamente nada! Uma das fragrâncias mais fortes e marcantes da ELDO, com notas extremamente persistentes de aldeídos, couro e incenso. Aliás, algo que eu já percebi com as criações da marca é a base marcada pela presença do couro. Tipo uma assinatura da ELDO em suas fragrâncias. Recentemente lançaram a versão extreme em eau de parfum de Rien. Pra que, Donna Summer?! Imagino como deve ser uma bomba nuclear!

Secretions Magnifiques (2006) - reza a lenda que a composição de Secretions Magnifiques inclui notas de cuspe, porra, sangue, suor... enfim, só coisa boa. Tive a oportunidade de senti-lo uma vez num encontro de perfumistas e fiquei enojada. É uma fragrância extremamente difícil, mas segundo a ELDO, é a campeã de vendas deles. Como obra-prima, é incrível. Afinal, criar um perfume completamente repulsivo é algo a ser aplaudido, mas como um perfume para se ter e usar regularmente, não funciona. Já cogitei comprá-lo algumas vezes e ir à buatchi com ele só pra ver as reações, mas sempre desisto na última hora. Qualquer dia faço a loka e compro (principalmente quando o dólar baixar... ou seja, nunca mais).

Delicious Closet Queen (2007) - o perfume da bicha enrustida... ou pelo menos era o que a ELDO esperava. Na minha pele essa bicha não tá escondida no armário, não. É bem afeminada essa bilu, viu? A framboesa e couro levemente recobertas por couro brilham e não pouco espaço pras notas mais "masculinas", como o vetiver (que acaba sendo o vetiver mais vinhado da perfumaria). A íris e violeta dão um leve tom atalcado à fragrância... enfim, Delicious Closet Queen não é a última bicha do dark room, mas tem lá o seu charme.

Noel au Balcon (2007) - inspirado no Natal, Noel au Balcon é um verdadeiro banquete pros amantes de fragrâncias gourmands. Usá-lo é como passar na pele uma compota de laranjas, mel, canela e pimenta. Ao longo da evolução é possível sentir a camada floral da base, mas não há como passar por tantas notas doces. Fixa bem na pele e se joga mais no lado feminino da Força. 

Tom of Finland (2007) - a primeira parceria da ELDO com uma "celebridade". Pra quem não conhece, Tom of Finland é um dos principais artistas homoeróticos de todos os tempos e suas criações habitam o imaginário de milhares de bilus... inclusive esta aqui. Todos seus bophys são gostosos, fortes e cacetudos. O que esperar dum perfume inspirado no universo desse artista? 
Bom, Tom of Finland pode ser levemente decepcionante se você espera cheiro de sauna gay, couro e porra. Sua abertura é cítrica e carregada nos aldeídos, mas a passagem para o longo estágio com baunilha e camurça é bem rápida. As outras notas (como pinho, pimenta e madeiras) ajudam a criar um cheiro que remete ao látex da camisinha, mas você tem que usar bastante a sua imaginação pra chegar até esse cheiro, tzá? Talvez Secretions Magnifiques representasse melhor o universo do Tom of Finland...

Amores, só falei de algumas das fragrâncias lançadas nos dois primeiros anos da Etat Libre d'Orange e vou deixar as demais para o(s) próximo(s) post(s). Destes perfumes que citei acima, se você estiver afim de se jogar no escuro e tiver uma graninha sobrando, super recomendo "Tom of Finland" e "Rien", embora o último seja um pouco mais difícil de ser amado e usado...

Um beijo,
Maddyrain

State of Independence

Long Version
Edit
N.R.G. Mix
New Bass Mix
New Bass Mix Edit
No Drums Mix
New Radio Millennium Mix
Murk Vocal Mix
Murk-a-Dub-Dub
Cuba Libre Mix
DJ Dero Vocal Mix
Jules & Skins Vocal Mix
Creation Mix


Inhaim! Tô bunita pra festinha que fui convidada?
Xente, fazia tempo que nossa finada favorita Donna Summer não aparecia por aqui, néam? E tem forma melhor de trazê-la de volta do limbo com algo bem gay? Na verdade, qualquer coisa que eu postasse da Donna Summer ahazzaria no travestismo.
"State of Independence" é um cover do começo dos anos 80 bem... mas BEM chatinho. Se não fosse pelos remixes, acho que ela jamais apareceria por aqui. A música foi relançada em 1990 e ganhou alguns poucos remixes. O N.R.G. Mix é uma releitura pop bem bonitinha e dá uma melhorada na original. O New Bass Mix também tem essa pegada pop calma com um pianinho house simpático.

Mas vamos ao que interessa, que são os remixes lançadas em 96. O New Radio Millennium Mix segue a linha dos remixes de 90 e é uma releitura gostosinha. Vamos resgatar também Oscar G e Ralph Falcon do limbo com o Murk Vocal Mix, um house bem válido. Na verdade, um remix bem house pras produções dos Murk Boys.
Agora prepare-se pra pura bateção de cabelo travesti com o DJ Dero Vocal Mix. Lembro que nem hoje uma noite em que tocou esse remix na finada e amada SoGo e eu e Litta Walitta fomos à loucura desvairada com a buatchi toda tingida de vermelho. Jesuis... que saudade! Um remix pra lá de pintoso com tudo no meio! Rola até um sambinha super Sapucaí pras minhas amigas cariocas ahazzarem! Enfim, o resto vira apenas resto depois dessa versão.

6 Bilus felizes:

N disse...

A Blue Live Lady Version
https://www.sendspace.com/file/01261o

Maddyrain disse...

Thank you, N. Don't even know what this version is all about...
Kisses
Maddyrain

Washington Batista disse...

Como vc é cult, Maddy.
Eu nunca ouvi falar dessa grife de perfumes, e olha que eu entro em varios sites de fragrancia e grupos sobre o tema.
Mas os caras só falam de Dior Pour Homme, Versace Pour Homme, Carolina Herrera, YSL, e Le Male do Gaultier.
Só vc mesmo para apresentar grifes de nicho... vou me jogar no google para saber mais sobre essa marca... BJS

Fini disse...

Eu tento me adentrar nesse mundo dos perfumes, mas não deixo de amar os avons e natura da vida. Não sou muito glam, né...

Maddyrain disse...

Não muito, gato... Não muito...

Jiló disse...

Maddi, cadê a Celine e a Maraia? KD??

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela