Vamos falar da Celine Dion: One Heart

Ao completar um ano do lançamento do "A New Day Has Come", álbum delicinha, Celine Dion presenteou seus fãs com o "One Heart". Presente de grego, meus amores e vou explicar o porquê. Eu sei que ninguém gosta de esperar três ou quatro anos entre um álbum e outro do seu artista favorito, mas PERA LÁ! Quando apenas um ano se passa dum lançamento pro outro, tem alguma coisa errada aí... ainda mais se as faixas são novas e não sobra de estúdio.
Se bem que no caso do "One Heart", nem tudo é exatamente novo. Já dando indícios dum possível cansaço criativo, Celine e seus colaboradores voltaram ao "A New Day Has Come" pelo menos três vezes enquanto produziam o "One Heart".

Na verdade verdadeira, não dá pra não pensar no "One Heart" como um produto único e exclusivo de marketing. Celine havia acabado de fechar um acordo milionário com a Chrysler e precisava vender carros com seu single "I Drove All Night". Pra aproveitar todo o barulho feito na época, por que não lançar um álbum, néam? Aim, devo acrescentar que tem um carro da Chrysler (que nem imagino o nome) que eu acho HORRÍVEL! Parece carro funerário!!
Embora a sonoridade do "One Heart" seja até inovadora na discografia da Celine por se tratar de um álbum mais pop e dance, ele é, ao mesmo tempo, pra lá de esquecível. Tirando poucas músicas, nenhuma gruda de jeito na virilha que nem chato que você pegou do boy do dark room. A produção do álbum ficou basicamente a cargo novamente da dupla Peer Astrom e Anders Bagge e Max Martin (que era o querido das boy bands).  
"One Heart" foi lançado em março de 2003 e veio com o seguinte tracking list, sem edições deluxe ou especiais:

1- I Drove All Night (single)
2- Love Is All We Need
3- Faith (promo)
4- In His Touch
5- One Heart (single)
6- Stand by Your Side (promo)
7- Naked
8- Sorry for Love (2003 Version)
9- Have You Ever Been in Love (single)
10- Reveal
11- Could Woulda Shoulda
12- Forget Me Not
13- I Know What Love Is
14- Je t'aime Encore

Mesmo com toda uma produção dance e escandalosa, não consigo amar I Drove All Night na voz da Celine completamente. Sempre acabo preferindo os vocais looshu da diva Cyndi Lauper. A versão da Celine é mil vezes mais bate cabelo e fez bastante sucesso na época. Uma escolha bem certeira de primeiro single, mas previsível depois da propaganda pra Chrysler.
Love Is All We Need é um dance pop que podia ter sido gravado pela Britney ou Xtina sem grandes diferenças. Faith, embora conte com a mesma produção, é mais bonitinha e interessante. Uma balada pop que é a cara da Celine Dion. Em seguida, vem In His Touch, que também carrega a carga melodramática que deixa todo fã da Celine cagado.

One Heart é uma música... hmmm... bem diferente do que podemos esperar da bunita. Na minha opinião, é outra faixa que soa mais como Britney Spears do que Celine Dion. Muito pop chiclete pro meu gosto. Stand by Your Side é uma baladinha bonitinha com produção do Humberto Gatica e Mark Taylor, que assinava seus remixes como Metro e vira e mexe aparece por aqui no blog. Adoro quando a guitarra latina é usada de maneira inteligente como nessa música... e "Spanish Guitar" da Toni Braxton. A loka.
Naked volta pra linha pop chiclete que é bonitinha, mas completamente esquecível. Sorry for Love já havia aparecido no álbum anterior, o "A New Day Has Come", mas parece que a inspiração tava cagada e Celine decidiu relançar a música, mas com nova produção. Se antes tínhamos um dance interessante, agora vem uma balada midtempo que soa como mais do mesmo. Fique com a versão dance original. Em seguida, mais um repeteco com Have You Ever Been in Love, mas sem quaisquer mudanças desta vez. Olha a preguiça imperando!

Reveal é um dance gostoso e poderoso produzido pelos veteranos Richie Jones e Ric Wake. Eu sei que já falei que as produções deles são bem irregulares, mas aqui eles acertaram em cheio. Coulda Woulda Shoulda também não é nenhuma novidade, pois havia sido lançada na edição deluxe do "A New Day Has Come". Agora o que levou a Celine a relançar essa música é um completo mistério, porque ela é chata pragarai. Poderia ter continuado lindamente no limbo de B-sides sem fazer muita falta.
Forget Me Not tem toda uma pegada... sexy r'n'b... que eu SUPER não associo à Celine Dion. Outra faixa facilmente esquecível, apesar do nome. I Know What Love Is podia ser chamada de "I Know What Power Ballad Is", porque segue direitinho a cartilha de baladas lida e relida pela Celine ao longo de sua carreira. "One Heart" encerra com Je t'aime Encore, que seria relançada no próximo álbum em francês da Celine. Uma baladinha bonitinha pra tirar esse gosto de tutti frutti da boca.  

Por favor, todo mundo precisava de uma folga da Celine Dion após dois álbuns seguidos. O processo criativo de seus compositores e produtores também já tava caindo no famoso "copia-cola". Enfim, Celine parece ser uma workaholic porque não tivemos férias entre o "One Heart" e seu próximo álbum, o "Taking Chances". Tivemos dois álbuns em francês, shows ao vivo e um álbum de músicas mela-fraldas para crianças nesse meio tempo. 
O "Miracle" foi lançado em outubro de 2004 e tá mais pra "projeto" do que "álbum", na minha opinião. Ele inclui praticamente apenas músicas produzidas pelo David Foster e todas com uma pegada... mamãe & bebê. O álbum exala Giovanna Baby. Aliás, lembra daquelas fotos de bebês dentro de vasos... ou como se fossem frutas e legumes que pipocaram na época? Então, o "Miracle" meio que veio pra acompanhar um livro da fotógrafa Anne Guedes todo inspirado nessa pegada pra lá de cafona. Aim, me desculpem, mas quando saiu esse álbum eu dei tanta risada. Enfim, depois de tanto lançamento, a pergunta que não quer calar é "Quem não tem medo de Celine Dion!?"

I Drove All Night

Hex Hector Extended Vocal Import Mix
Hex Hector Dub Import Mix
UK Radio Edit
UK Radio Mix A Cappella
Original 3 Remix
Wayne G Heaven Anthem Mix
Chris the Greek Club Mix
Everbots Fasha Mix
GW-1 Remix
Polarbabies in Prague Club Mix

This fever for you is just burning me up inside...

Pensaram que eu venderia carros. Tolinhos...:
Amores, vamos começar pelo óbvio: "I Drove All Night" só é "I Drove All Night" na voz da Cyndi Lauper. E olhem que nem é dela a versão original dessa música, hein? Sendo assim, nunca... mas nunca mesmo... consegui engolir a versão da Celine Dion. Sorry, gata.
A ideia de regravar surgiu com o contrato com a Chrysler. Xente... desde quando Celine Dion tem cara de vendedora de carros, néam? Resultado: a música fez sucesso e ajudou nas vendas do "One Heart", já os carros da Chrysler...

Enfim, o que importa é que "I Drove All Night" ganhou remixes de ninguém menos que nosso muso Hex Hector! Se a versão original já é bem dançante, o Hex Hector Extended Vocal Import Mix é ainda mais club diva. Nessa época Hex Hector já tava decaindo, então não esperem nenhuma obra-prima, mas dá pra sair dublando pela casa. 
O Original 3 Remix é oficial e só saiu numa coletânia aí qualquer. Um dance de rádio bem bonitinho e inofensivo. Uma pausa antes da bateção de cabelo que só o Wayne G consegue fazer pras bilus mais histéricas e phemeas. O Wayne G Heaven Anthem Mix é puro travestismo. Uma delícia que devia ser redescoberta pelos DJs. Fika a dika!
O Chris the Greek Club Mix segue a mesma linha club dance, mas é um pouco... mas só um pouco... mais contido. Não esperaria esses remixes tocando numa balada de heteros. Os outros remixes... enfim... deixa pra lá.

5 Bilus felizes:

Bilu Demanding disse...

A duvulgação do álbum foi toda cagada. Deviam lançar um clipe cheio de propagandas, mas fizeram duas coisas à parte. Perdeu-se tudo nas enchentes da vida.
A escolha dos singles também foi uma loucura. Acho que Love Is All W Need ia ficar linda lá nos #1's da vida. Ao menos na minha casa ia pegar #1! Não entendo One Heart. Muito feliz, prefiro os remixes mais dance aldutos. E Naked me lembra MTV Unplugged, não Britney ou Xtina.

Reveal é talvez a grande surpresa do álbum, sem muitas surpresa, claro. Muito foi dito sobre ela, mas a danada é doida. É dance. É balada. É sexy. Só não é mais do mesmo.

O álbum em si cansa minha beleza, e teve um bom hiato até o próximo - em inglês, claro.

Maddy, bunita, cadê Mariah? Tá com medo de falar da carreira dela after nigga power?

Anônimo disse...

pode me dar Fever (Edit One), per favore? não encontro em lugar nenhum!

Maddyrain disse...

Bilu Demanding, meu amô, Mariah virá já já com "I Still Believe" de novo... "Sweetheart" é muito intragável pra representar o "#1's"...

Amore Anônimo, já tentou programas como SoulSeek e afins? Eu tenho esse remix no single de "Rain" apenas.

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Uai! Cadê o link? "This fever for you is just burning me up inside..." não está sublinhado...

Maddyrain disse...

Meu amô, o link já foi apagado pelo servidor e este post já foi removido duas vezes. Não vou colocar online novamente. Baixou, baixou, quem não baixou, sorry. Tem que ser rápida aqui, amore!

Um beijo,
Maddyrain

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela