Vamos falar da Mariah Carey: Daydream

Depois de estufar o edy de todo mundo com bastante farofa e frutas secas com o "Merry Christmas", o povo tava bastante ansioso com o próximo álbum da Mariah Carey. "Daydream" marca a carreira da bunita como sendo o álbum em que ela passaria a ter um controle ainda maior de sua produção musical e se distanciaria do estilo que havia encantado toda uma nação global.
Pois éam, meus amores... os primeiros passos da Mariah rumo ao cansativo e repetitivo mercado r'n'b foram dados no "Daydream", mas ainda temos aqui a Mariah que a xente aprendeu a amar. Na produção do álbum, além do já figurinha carimbada Walter Afanasieff temos o primeiro trabalho do Jermaine Dupri, famoso por sua ligação com a Janet Jackson, com a Mariah.

"Daydream" foi lançado em outubro de 1995 e também marcou o início do término do casamento de Mariah com Tommy Mottola. Ambos discordavam sobre a direção musical que a Mariah queria para si. Bom, o resultado todo mundo sabe qual é: o hip hop acabou vencendo o pop...  Felizmente, "Daydream" é um álbum bem equilibrado e o hip hop/r'n'b que Mariah buscava era de qualidade, diferente da sonoridade de hoje em dia. O tracking list final do álbum é o seguinte:

1- Fantasy (single)
2- Underneath the Stars (single) 
3- One Sweet Day (with Boyz II Men) (single)
4- Open Arms (single)
5- Always Be My Baby (single)
6- I Am Free
7- When I Saw You
8- Long Ago
9- Melt Away
10- Forever (single)
11- Daydream Interlude (Fantasy Sweet Dub Mix)
12- Looking In
13- Fantasy (Def Club Mix) (bônus da edição japonesa)
14- El Amor que Soñé (bônus das edições latinas)

Aim, que abertura ótema essa do "Daydream"! Fantasy, o primeiro single tirado do álbum, é um pop DELÍCIA! Única faixa produzida pelo Dave Hall, que trabalhara com a Madonna no "Bedtime Stories", inclui o sample super fofo de "Genius of Love". Ficou uma graça. A versão do clip é o remix com o tenebroso Ol' Dirty Bastard. Podíamos ter ficado com a versão original... ou o remix incrível do David Morales.
Underneath the Stars é uma baladinha com o pezinho no r'n'b bem fofolete também. Teve um lançamento bem discreto e acabou não fazendo lá muito sucesso. É seguida por One Sweet Day, dueto com a black boy band Boyz II Men. Essa fez bastante sucesso na época e é um tributo ao falecido Dave Cole, do C&C Music Factory, que ainda faz muita falta. Muito bonita, mas guarde a navalha num lugar alto ao ouvi-la. Ainda mais por vir acompanhada de Open Arms, cover da banda Journey. Eu fico COMPLETAMENTE cagada com a versão da Mariah, que é mil vezes melhor que a música original ou qualquer outra regravação feita ao longo dos anos.

O clima do álbum dá uma animada com Always Be My Baby, mais um pop bem gostoso em que a Mariah brilha. O vídeo clip também é de uma fofurice sem fim. I Am Free é uma baladinha bem no estilo Mariah/Afanasieff. Os vocais dela super se destacam, mas a música fica um pouco perdida no meio de tantas outras faixas melhores. Como When I Saw You, por exemplo. Também não agrega nada de diferente à discografia da bunita, mas tem lá seu charme.
Long Ago vem com a Mariah se jogando no hip hop... mas hip hop phyno, tzá? A música é um tanto datada hoje em dia, mas, para a época, representava os primeiros passos da Mariah em direção ao gueto. Melt Away também tem um pouco dessa pegada street diva e é bem bonitinha. Música pra encher linguiça de qualidade.

E então chega uma das minhas músicas favoritas da Mariah... Forever. Xente, fico destroçada sempre que a escuto. Puro glamour nostálgico. A voz da Mariah soa perfeita... o instrumental é dramático... enfim, estará sempre no top 10 pra mim. A letra também é digna de uma navalhada nos picos da depressão.
Mariah já tinha sacado que sua parceria com o David Morales rendia bons frutos, então porque não colocar um dubzinho e fazer a biluzada dançar com o Daydream Interlude, néam? "Daydream" encerra pegando novamente a navalha e os calmantes da gaveta. Looking In é uma balada pra lá de tristonha e dramática. Mariah super se abre pro seu público e acabou gerando uma onda de suicídios enorme de seus lambs, aloka!  
Como bônus, nada de muito novo, apenas a versão em espanhol de "Open Arms" e um remix bem válido do Morales pra "Fantasy", com o nome errado na verdade. Não é o Club Mix, mas sim a versão editada deste. 

Além dos vários singles lançados, Mariah saiu em turnê com a "Daydream World Tour" que, na verdade, foi apenas até o Japão e alguns poucos países da Europa. Deu pra perceber que a bunita ainda tava magoada com o público americano depois das pedradas que levou na sua última tentativa de se apresentar ao vivo por lá!
Na minha opinião, "Daydream" é o último álbum REALMENTE bom da Mariah. Antes de tacarem as pedrinhas no meu lindo corpo, vou reafirmar o que já falei aqui antes: a bunita perdeu completamente a graça pra mim quando seus álbuns se tornaram mais r'n'b do que pop/balada. Meus amores, é só prestarem atenção nas mudanças físicas no corpo da Mariah. Ela aos poucos foi se tornando uma pessoa completamente diferente. Claro que ela não precisava ficar debruçada nas baladas mela-calcinhas pra sempre (como a Celine Dion), mas o equilíbrio que ela demonstrou no "Daydream" é perfeito. Celine Dion, por exemplo, nunca conseguiu equilibrar os estilos musicais nos seus álbuns, néam?
Mas isso não quer dizer de maneira alguma que eu não goste do "Butterfly" ou do "Rainbow". Na verdade, gosto batante deles. Mas já adianto que depois do "Rainbow" não respondo mais por mim...

Always Be My Baby

Mr. Dupri Extended Mix feat. Da Brat & Xscape
Mr. Dupri Mix feat. Da Brat & Xscape
Mr. Dupri No Rap Radio Mix feat. Da Brat & Xscape
Reggae Soul Mix feat. Lil' Vicious
Reggae Soul Dub feat. Lil' Vicious
Reggae Soul A Cappella feat. Lil' Vicious
Always Club
Def Classic Radio Version
Dub-a-Baby
Groove a Pella
ST Dub


Vou fazer cara de Mona Lisa enquanto cagam na minha música:
Amores, se "Always Be My Baby" na sua versão original é uma fofura, então preparem-se pra cagada monumental que foi o single. Mariah... ou alguém tão genial quanto... teve a brilhante ideia de lançar três versões distintas da música. Até aí, maravilha! Isso faz o single valer super a pena. Entonces, "Always Be My Baby" ganhou versão r'n'b, reggae e house. Não preciso dizer a única versão que se salvou, néam? Da próxima vez, lança uma versão com o Calypso.
A versão r'n'b é de uma chatice sem fim e ainda conta com duas assombrações que aparecem no meio do remix. Lixo. Os vocais foram regravados, mas ficaram até que próximos aos da original. A versão reggae começa com uma risada que eu JURO que me dá calafrios! Jesuis, o que é aquela coisa "cantando" junto com a Mariah!? E os efeitos usados nos vocais originais da música? Deixaram a Mariah com a voz grossa no refrão!! Mariah sapatona!? Que sacrilégio!

Pra evitar uma onda de suicídios aqui no blog, temos o David Morales pra salvar a pátria e mandar todo mundo pra pista dançar. O Always Club tem dez minutos de puro glamour! Os novos vocais ficaram até melhores que os originais. AMO! O remix é aquela coisa dance/house que a xente super ama e não se cansa, néam? Genial. No entanto, o dub é um pouco cansativo e cyber macumba demais. O Groove a Pella é mais interessante. Que backing vocals são aquelas?! 
Por fim, fiquem com o ÓTEMO ST Dub, do nosso amado nipônico Satoshi Tomiie. É assim que se faz um dub de qualidade, meus amores!

16 Bilus felizes:

Bilu Demanding disse...

Tô morto de curiosidade pra ler a análise do Glitter. Pedra nele!
Qual álbum da Mariah você mais abomina? Taca pedra no Glitter!

Maddyrain disse...

Aim... olha, vou ser franca: não tenho nehum álbum depois do Rainbow, então pras críticas mais futuras terei que ouvir faixa a faixa... inclusive as encheções de linguiça. Mas até o Rainbow, o que eu menos gosto é o Emotions...

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Tia Maddy,os meus dois albuns preferidos da Mariah são o Daydream e o Butterfly.Já imaginava que você ia meio que torcer o nariz pro Butterfly,mas já que você falou que gosta bastante,já estou bem ansiosa pela análise.
Olha,dos albuns lançados depois do Rainbow,eu gosto do "The Emancipation Of Mimi e do Me I Am Mariah(não vou me dar ao trabalho de dizer o nome todo desse album,que é gigante).Mas o resto...

Maddyrain disse...

O "Butterfly" é bom sim, mas já tem mais r'n'b do que meus ouvidos conseguem surportar... MAAASSSSS.. "My All" está nele, então tudo pode ser perdoado!

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Maddy, meu álbum favorito é o E=MC2. Você gosta dele? É o de Touch My Body e Bye Bye. Caso você não conheça Migrate, vai te deixar louca! Beijos.

Maddyrain disse...

Olha, o E=MC2 eu nunca ouvi inteiro, mas conheço "Touch My Body". Adógo um remix dessa música, mas agora não lembro o nome... Mas tá ainda bem longe de eu chegar nele, amore... Quero ver se dou uma acelerada na Mariah e posto logo "Butterfly".

Um beijo,
Maddyrain

Fini disse...

Só não esquece da Celine!

Lord N Music disse...

Maddy, Tem uma música da Mariah (mais recente de 10 anos atrás, haha) que eu gosto do "The Emancipation Of Mimi" que é a "Don't Forget About Us", tá certo que a música não é tudo aquilo, mas é música de vinhado da Dancefloor sabe? Já "We Belong Together" eu já fui fã, mas de TANTO sucesso que ela fez, me deu uma enjoada legal.

Uma pena que a Whitney tem três Trilha-sonoras chatas no meio da sua discografia, mas se ela não tivesse isso, até que seria legal analisar os álbuns dela né?

Um beijo.

Maddyrain disse...

Aim, eu gosto de "Don't Forget About Us", ainda mais os remixes! "We Belong Together" também não é a das piores, vai... Não vamos ser extremistas... não é pra jogar tudo no bueiro! ahhahahaha

Whitney é uma boa pedida... mas bem pro futuro porque eu não me darei por vencida! Ainda teremos Pet Shop Boys aqui!!!!

Um beijo,
Maddyrain

Lord N Music disse...

Agora, o que eu espero bastante mesmo, é sobre o Rebel Heart da Madonna, mas temos que esperar o álbum ser lançado em março e escutado pela diva Maddy <3 É, realmente a Madonna ouviu suas reclamações do MDNA, e revirou a lata musical dela.

Living For Love é tão bonita mesmo na versão final, mas os remixes que eles lançaram até agora, nenhum se salvou, uma pena.

Ah, Maddy, você sabe que eu faço remixes né? (não profissionalmente. haha) Seria audácia minha remixar Living For Love?

Um beijo no edy.

Maddyrain disse...

Olha, eu até que gostei dos remixes de "Living for Love". Não são a última maravilha do mundo, mas também não são terríveis. O single parece que será melhor que qualquer single lançado do MDNA, aquela tranqueira...

Aim, amore... remixa, vai que ela aprova?! ahahhahaha

Um beijo,
Maddyrain

Washington Batista disse...

Nossa Maddy, depois do Daydream vc não tem mais albuns da Mariah??? O Emancipation é um album maravilhoso!! Canções como Mine Again, Circles e I Wish You Knew são lindas de encher os olhos d'àgua, mas sem essa coisa mela calcinha. São canções poéticas, maduras. A Mariah se apresenta como uma negra nesse album. Temos canções r'n'b deliciosas como Say somethin' produções inspiradas na Disco Music como To The Floor e hip hop gostoso de ouvir como Makin' It Last All Night.E ainda tem canções/baladas Gospel como Fly Like a Bird e Joyride (linda linda linda) Todas essas faixas na minha opinião fizeram o Emancipation superar o Daydream e o Butterfly no quesito maturidade musical e até mesmo na produção. Espero que vc ouça esse album e de uma chance a essas musicas, pois realmente vale a pena curtir essa fase da "Mimi"
Bjs!

Maddyrain disse...

Aim, xente... falta tanto pra eu me preocupar com os álbuns da Mariah que eu não tenho e/ou não ouvi além dos singles... Por enquanto, focarei minhas energias vitais e espirituais no "Butterfly", tzá?

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

E qual seria seu top #10 de músicas favoritas da Mariah?

Maddyrain disse...

Aim, que pergunta difícil!!! Só sei que Forebs... opa... Forever está lá lindamente reinando! Mas sabe que com a Mariah eu acabo gostando sempre mais é das baladinhas? Claro que também adógo as faixas mais pop dela, mas as baladas eu acho que ela arromba edys...

Washington Batista disse...

Antes de qualquer decisao, vc precisa ouvir o Emancipation, tô bege que nunca ouviu ele todo... rsrsr

http://minhateca.com.br/dommarco/MUSICAS/DISCOGRAFIAS/INTERNACIONAL/Mariah+Carey+Discografia

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela