Joop!

Amores, às vezes é até difícil pra mim acreditar... e lembrar... que minha coleção de perfumes desabrochou graças ao meu amor por um perfume que hoje em dia eu mal consigo senti-lo sem sentir calafrios. Um perfume do qual eu tive praticamente todas as edições de verão e usava-o pelo menos uma vez por semana. Eu tô falando, xuxus, do Joop! Homme, da marca alemã Joop!. Vocês com certeza já devem tê-lo sentido no cangote de alguém na buatchi ou levado uma bofetada dele em algum elevador.
Bom, confesso que pouco sei sobre a marca Joop! O que acabei conhecendo ao longo dos anos é que o fundador foi Wolfgang Joop na década de 80 e que a grife obteve bastante sucesso no setor têxtil, principalmente na Alemanha. Certa vez, uma amigay me contou que há uma loja Joop! em cada esquina da Alemanhas, mas como nunca fui pra lá, não posso confirmar. Por aqui, desconfio que nunca abriram loja, mas o mesmo não pode ser dito dos seus perfumes, que podem ser encontrados em qualquer perfumaria.
Lá pro final dos anos 80, a grife decidiu investir no setor perfumístico e lançou sua primeira fragrância, a bomba Joop! Femme. Ah, já vamos esclarecendo que minha paixão pelos perfumes Joop! se desenvolveu no setor masculino e conheço poucos femininos, tzá?

Enfim, o que tornaria a Joop! reconhecida mundialmente seria a versão masculina da primeira fragrância, o Joop! Homme. Dentro do simples frasco rosa encontra-se um dos perfumes mais fortes já produzidos pelo ser humano! Uma verdadeira bomba rosa. Hoje em dia, é fácil identificá-lo como um perfume masculino, mas imaginem que em 1989 a linha que separava fragrâncias masculinas de femininas era bem demarcada. Joop! Homme quebrou essa barreira e encantou a nação global com suas notas de flor de laranjeira, jasmim, lírio do vale, canela, sândalo e baunilha. Na minha opinião, a família olfativa que o descreve melhor seria oriental floral, mas não sou nenhuma expert em classificar perfumes.
Joop! Homme ganhou inúmeras edições de verão que ajudaram BASTANTE a tornar a bomba rosa mais usável em dias quentes. Como já mencionei, já tive inúmeras destas edições e nenhuma foge completamente do esquema flores-baunilha, apenas com algumas frutas aqui e outras ali. Hoje em dia, Joop! Homme é carne de vaca e não há uma buatchi em que eu vá que não tenha pelo menos uma dúzia de bilu usando.

A segunda fragrância masculina foi o Nightflight, e apaixonei-me por esse fougère assim que o conheci. Sonhava com o dia em que levaria alguém pra minha cama besuntado em Nightflight. Aqui a proposta é COMPLETAMENTE diferente do Joop! Homme. Nightflight mescla notas de abacaxi, lavanda, zimbro e limão na saída com jasmim, lírio do vale e pau rosa no corpo. Embora possa parecer uma evolução de cítrico para floral, não é nada disso. O coquetel de acabaxi com zimbro e lavanda é persistente e duradouro e as notas amadeiradas do pau rosa e sândalo tomam um aspecto todo metálico graças ao almíscar da base.
Um perfume fresco e encantador... além de completamente masculino. Aqui não há como errar. Nightflight exala masculinidade. Não é uma bomba metálica como o Joop! Homme, mas dura bastante tempo na pele. Ainda tenho um carinho todo especial por ele...

Joop! continuou pulando em diferentes estilos e lançou o What About Adam ainda na década de 90. Já tivemos um oriental, um fougère e agora seria a vez de um perfume cítrico. Aliás, What About Adam é um dos perfumes mais verdes que eu conheço, graças à adorável combinação das notas de folha de tomate, grapefruit e hortelã. Amores, que saída forte! Se você conhece o aroma que as folhas do pé de tomate têm e deixam na mão quando as tocamos e NÃO gosta desse cheiro, fujam do What About Adam. Ou melhor, nem precisa fugir porque ele não é mais produzido e as chances de vocês encontrá-lo são pequenas!
Talvez esse tapa na cara cítrico não tenha atraído tantos amantes como esperavam. A fragrância evolui para uma base levemente amadeirada, mas com mais ênfase na baunilha. No entanto, é impressionante como a folha de tomate mantem-se firme e forte até o último suspiro do perfume! Uma pérola para os amantes de perfumes cítricos/verdes.

O próximo lançamento da Joop! levaria alguns anos pra sair e entraríamos no campo amadeirado-especiado com o Rococo. Esse é o único perfume masculino da Joop! que eu nunca vi sendo vendido no Brasil e foi uma das minhas primeiras compras desesperadas no eBay. Quando recebi meu tão esperado frasco, foi uma surpresa agradável, mas longe de ser algo que eu esperava. Não imaginava que meu nariz fosse coçar tanto diante da avalanche de pimenta do reino da saída! Rococo tem outras notas de saída como gengibre e zimbro, mas a pimenta domina geral! A evolução é levemente verde até desaguar na base de âmbar e madeiras.
Não é um perfume complicado, mas é difícil gostar dele. Sempre que uso o Rococo imagino uma loja de móveis de madeira novos... e alguém moendo pimenta do reino em cima deles! A loka! Esse também foi o primeiro Joop! mais fraco que eu conheci. Claro que há inúmeros outros perfumes mais fracos no mercado, mas é relativamente moderado se comparado aos outros Joop!

Na minha opinião, Joop! começou a perder a mão com o Jump. Embora não seja um perfume ruim, é bastante genérico e remetente ao clássic Le Male, de Jean Paul Gaultier. Embora meu frasco tenha quase passado da metade de tanto que o usei, não era um prazer passar Jump. Não sentia nada de distinto nele, tão entendendo?
Jump abre com grapefruit, cominho e alecrim e sua evolução apresenta tons florais bem contidos. A base, sem grandes novidades, mescla fava tonka e almíscar. Bocejos e bocejos.
Mantive o clima de desinteresse quando conheci o Go, também comprado no frenesi do eBay. Juro que eu achei que tinha sido enganada quando o senti pela primeira vez! Eu lia a descrição das notas e não acreditava! Segundo os sites especializados, a saída do Go tem notas de ruibarbo, pimenta e laranja, seguidas de violeta e gerânio e base de almíscar. Tudo mentira! A saída é a única parte que difere do Jump, porque o resto eu achei tudo idêntico! Quase que mandei o frasco de volta pro vendedor com uma mensagem bem má educada!

O último perfume Joop! que eu tive antes de desistir da marca foi o Thrill, que prometia ser o Joop! Homme do novo milênio. Okay, o frasco é vermelho e as notas até sugerem leve semelhança, mas só! Thrill tem saída de maçã verde com lavanda e logo evolui pra base de baunilha, âmbar e madeiras. E pronto! Acabou o perfume! Eu até achava a saída super gostosa, porque a maçã era bem evidente, mas cadê o resto do perfume, Donna Summer?! Pura decepção...
Quando o Splash foi lançado em 2011, eu já andava e cagava pros perfumes Joop! e tinha cortado minha coleção mantendo apenas What About Adam (e sua versão feminina, All About Eve) e Rococo. Splash, como o nome sugere, é um perfume fresco e aquático.... bem do tipo que se encontra aos montes por aí. A saída era frutal, com uma fruta esquisita que eu nunca ouvi falar, e mesclava notas oceânicas com cardamomo. Nunca tive paciência pra esperar chegar na base, mas Splash me pareceu ser um perfume extremamente leve e sem graça, não fazendo jus aos clássicos da marca Joop!

Joop! não é a única marca com perfumes clássicos e eternos no passado e perfumes cagados no presente. Pra citar apenas algumas, temos Calvin Klein... Givenchy... Gucci... vixi, a lista é longa, meus amores! Claro que sempre há alguém que se interessa por esses perfumes mais batidos e comerciais, mas é interessante revisitar o passado pra conhecer o que tornou essas marcas conhecidas e famosas.
Porque eu duvido muito que eu teria gasto todo meu latim aqui escrevendo sobre os perfumes da marca Joop! se a primeira fragrância lançada por ela tivesse sido o Splash!

Um beijo,
Maddyrain

To Be in Love

MAW 12"
MAW '99 Mix
MAW Club Edit
MAW Radio Mix
MAW Dub
Masters at Work Dub
Rascal Dub
Accapella
Bonus Beats
Beat Reprise 99 Mix
India's Piano Mix
The Black Science Swingtime Mastadub
The Tribal Science Xtra Kut
Ricanstruction Vocal
Full Intention Vocal Club Mix
Full Intention Club Edit
Full Intention Radio Mix
Full Intention Dub
Tiefschwarz Acoustic Mixdown
Tiefschwarz Acoustic Radio Edit
Knee Deep Club Mix
Knee Deep Dub
MJ Cole Vox
MJ Cole Dub


Amar o edy de Maddyrain é tudo nesta vida:
Aim, o post de hoje resgata aqui no blog essa diva da house music que eu tanto adógo, a India! Sempre com parcerias do babadu com os moços do Masters at Work. Não tem erro, meu amô! É só coisa boa! Pode começar se arremessando no incrível MAW 12" com seus lindos 12 minutos de classic house da mais pura phynesse! "To Be in Love" foi relançada em 1999 e ganhou o MAW '99 Mix, que segue a mesma linha do remix anterior, mas é mais acelerado e tem batidas a mais. Glamour duplo pra você! Se gostar, fique lynda com o MAW Dub, que eu adoro.

"To Be in Love" foi agraciada com remixes super fofoletes e interessantes. Mantendo a linha Ibiza da versão original, temos o Ricanstruction Vocal pra você ouvir enquanto toma seu Martini na beira da sua piscina.
Os sumidos moços do Full Intention também dão a cara por aqui hoje com o Full Intention Vocal Club Mix, que segue a linha club animadinha que faz falta. Ouça também o gostosinho Tiefschwarz Acoustic Mixdown, que tem uma pegada latina super xuxuzinha.
Pra finalizar o glamour à beira da piscina com bophys sarados de sunga recheada, temos também o Knee Deep Club Mix. O remix do MJ Cole a xente ignora (como tudo dele).

7 Bilus felizes:

Anônimo disse...

Ain, Maddie... com tanta tecnologia e ainda não podemos enviar cheiros via bluetooth. Mas nessas horas agradeço a falta tecnológica, otéion Joop!

Maddyrain disse...

Amore,
Hoje em dia também não sou mais fã do Joop! Homme, mas temos bastante Joop! Hommes contemporâneos, como o insuportável One Million, do Paco Rabanne...

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Maddinha, cadê as análises de discografias??

Eduardo disse...

Oi Maddy, talvez eu seja o leitor mais novinho do seu blog, e sabe com vc aprendi tanta coisa até hoje, e como faço questão de ler todas as suas histórias eu sempre acabo me identificando com muuuuitas delas, algumas me servem até como ajuda se a senhora quer saber, mas enfim eu simplesmente stou aqui toda semana ansioso esperando por mais um capítulo escrito por você e posso dizer de todo coração que amo esse lugar de todo coração. Obrigado por me fazer rir também em alguns dias nublados, se me entende.

Deixo todo meu carinho pra vc sua diva.

Beijos.

Maddyrain disse...

Aim, amore, calma! Não só de discografias vive este blog! Necas também (e o movimento tá baixo, by the way...)

Eduardo, kérido,
são comentários e emails como o teu que tornar o MEU dia mais feliz. Muito obrigadjénha pelo carinho e espero que você sempre encontre aqui algo para fazer o SEU dia mais colorido.

Beijos,
Maddyrain

Washington Batista disse...

Putz! Eu sugeri que vc voltasse a falar sobre fragrancias e não comentei sobre isso kkkkkkkkkkk!!! perdao, minha querida! Eu gosto do Joop, mas confesso que só fui comprá-lo recentemente, esperando um pouco para que as gueis deixassem de usa-lo. Percebo muito a nota de canela que eu amo. Vc acredita que muita mulher dá em cima de mim quando uso ele? Que Coisanéahm..... adoro quando vc fala de perfumes... minhas proximas aquisições serão o Boss Bottle (apontado como o mais usado pelos homens franceses) o Versace Man eau Fraiche e o Chanel Edition Blanche... BJJSSSS

Maddyrain disse...

Da'ling,
Eu não gosto de nenhum perfume do Hugo Boss e já tive dois ao longo da vida, mas nunca mais...
O Man Eau Fraiche eu já tive também. Verão tropical e super parecido com o Light Blue feminino. Também já tive o Allure Edition Blanche, mas o cheiro de cheesecake de limão acabou me cansando com o tempo... Agora só tenho o tradicional, que acho babadu.

Um beijo,
Maddyrain

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela