Vamos falar da Celine Dion: Unison

"A hora da verdade", com Maddyrain. Pouco antes de me jogar com toda fé na piruka na discografia da Madonna e torna-me fã incondicional da diva-mãe, meu coração bateu por um bom tempo por outra diva. Uma diva mais cafona... mais romântica... e com a voz mais bonita, não podemos negar. Sim, meus amores, já dublei muita Celine Dion nesta vida de criança viada! Aquele típico guilty pleasure que todo mundo tem.
Claro que, assim como grande parte da população mundial, eu só fui descobrir... ou melhor, lembrar... da existência da Celine Dion quando ela explodiu e cansou todo mundo com "My Heart Will Go On". Digo "lembrar" dela porque já a conhecia pela música "Beauty and the Beast", que tocava no final do meu VHS de "A Bela e a Fera". E adorava, preciso dizer? Depois que ganhei o "Let's Talk About Love" e o "Falling Into You" quase que na mesma época e os escutei até a exaustão, comprei mais dois álbuns antigos da Celine e a deixei de lado até que rapidamente. Por exemplo, não tenho NENHUM álbum dela após o "Let's Talk About Love"... mas isso não significa que não o tenha no computador, néam? A loka!

Enfim, a grande surpres da minha vida foi descobrir que a Celine já existia desde os anos 80 e fazia sucesso na sua terrinha natal, o Canadá, cantando em francês. Ah, aviso desde já pra evitar pedidos desesperados que não irei tratar de nenhum álbum em francês da discografia da Celine, tzá?
Mas como eu dizia, a bunita já tinha construído uma carreira relativamente sólida no Canadá com seus álbuns em francês até decidir investir no mercado mais global, principalmente nos Estados Unidos. Uma dica de diversão descomplicada é se jogar no Wikipedia e ver a capa dos álbuns antigos da Celine. É de morrer de rir!

Bom, o que importa é que as poucos a bunita foi chamando a atenção de alguns produtores, como David Foster (que já trabalhou com Deus e o mundo), e o "Unison" começou a ser gravado em 89.
A ideia original era que Celine regravasse seu último álbum em francês lançado em 1987, o "Incognito", em inglês, mas felizmente descartaram essa possibilidade e decidiram investir mais nela. Em abril de 90, o "Unison" foi lançado com o seguinte tracking list:

1- (If There Was) Any Other Way (single)
2- If Love Is Out the Question
3- Where Does My Heart Beat Now (single)
4- The Last to Know (single)
5- I'm Loving Every Moment With You
6- Love By Another Name
7- Unison (single)
8- I Feel Too Much
9- If We Could Start Over
10- Have a Heart (single)

Meus amores, a xente vai falar dum álbum de 1990 e duma cantora tentando alcançar um público mais global, então as chances de encontrarmos músicas dolorosamente datadas são enormes, okay? Preparem-se porque "Unison" tende a ser bem chato de ser ouvido hoje em dia. Feliz ou infelizmente, só fui comprá-lo mais recentemente num sebo (a loka) e confesso que acabei nem dando qualquer atenção a ele.
"Unison" abre com seu primeiro single, (If There Was) Any Other Way, um pop com uma pegada dance que não fará nenhuma criatura da Terra sair dançando pela sala de estar, mas que também não machuca o ouvido. If Love Is Out the Question é o tipo de balada que irá dominar o "Unison". Baladinha com o pezinho no rock romântico. Mega meu kool.

Acho que a música que mais fez sucesso do "Unison" foi Where Does My Heart Beat Now, que toca bastante na Alpha FM e rádios similares até hoje. É de fato uma baladinha bem bonita e a cara das músicas românticas da Celine Dion. Eu gosto, tzá? Sem vergonha de admitir! The Last to Know emenda três baladas seguidas. Aim, demais pra mim, sorry. Além disso, não apresenta nada de mais. 
I'm Loving Every Moment With You também não foge da sombra do pop romântico. Além de desinteressante, tem uma produção bem datada pros padrões de hoje. Pra quebrar um pouco o climão de fofação em motel de quinta categoria, Love By Another Name é mais dançante, mas... Donna Summer... não me desce! Sempre me pareceu que a Celine fica um pouco perdida... fora de contexto... quanto faz essas músicas mais dançantes. Sei lá...

A faixa-titúlo do álbum, Unison, é uma regravação bonitinha, mas que foi completamente salva pelos remixes lançados. A última faixa mais animada é I Feel Too Much, com a produção toda trabalhada no dance dos anos 80. Amore, estamos no começo dos anos 90. Vamos nos atualizar um pouco?
Encerrando o álbum, duas baladinhas. If We Could Start Over não se distancia muito das outras baladas do "Unison". É bonita e tudo mais, mas é mais do mesmo. Por fim, Have a Heart, que acabou sendo a única regravação de uma música do "Incognito". Copie e cole o que falei da faixa anterior e divirta-se.

Eu imagino que a Celine deve ter assinado um contrato já com uns três álbuns pré-estabelecidos e que no início dos anos 90 fosse mais difícil quebrar contratos, porque o "Unison" não tem absolutamente nada de especial. Pouquíssimas coisas são interessantes ou relevantes, enquanto que o resto é um amontoado de mesmices.
Enfim, ao contrário da minha opinião pessoal, parece que o "Unison" introduziu de maneira positiva a Celine Dion no mercado americano, mas talvez isso aconteceu porque a Celine chamou a atenção pela sua performance vocal, néam? Hoje em dia, qualquer reality show de música produz dez Celines Dions por temporada...

Unison

Single Mix
Single Mix without Rap
Mainstream Mix

Club Mix (thanx to raul!)


Unidos pelo tesaum:
Xente, hoje eu vou ser bem breve, tzá? Mesmo porque não tem muito o que falar dos remixes de "Unison". Só digo que conseguiram salvar completamente a música da fogueira com o Mainstream Mix, deixando-a mais dançante e digerível. O raro Club Mix vai pra um caminho também dance, mas com uma pegada mais house. Uma graça.
Eu apenas tiraria aquele trecho com rap completamente dispensável. Enfim, não se pode negar que os remixes de "Unison" foram mega importantes pra atrair a atenção do público americano que tava cagando e andando pra Celine.

8 Bilus felizes:

raul disse...

Unison (Club Mix).mp3
http://www42.zippyshare.com/v/52588005/file.html

Matheus Duarte disse...

Maddie!
Você não curte Grace Jones? A bunita não tem nenhum post no seu blog...

Anônimo disse...

A casa frase sua soltava um 'tô loko do meu kool', seguido de uma risada.
Adorei a análise. Celine se tornou digerível só no terceiro álbum, mas abafa, pois tem algumas coisinhas muito bonitinhas nesse bolo fecal.

Um beijo!

Maddyrain disse...

Matheus, xuxu, Grace Jones não é o meu forte.

Anônimo amado, que bom que gostou. Fico contente e agora espero que ninguém faça a passiva quando eu pedir foto de rola!

Um beijo,
Maddyrain

Anônimo disse...

Like A Drug tem remixes? Podia rolar um post :)

Maddyrain disse...

"Like a Drug" nem foi single... infelizmente...

:(

Anônimo disse...

Maddie, quérida, tem chance de repostar Together Again da Janet e/ou Where Has Th Love Gone? da Kylie? Beijos.

Maddyrain disse...

Amore, Janet vai rolar muito em breve. Na verdade, tenho umas três músicas delas engatilhadas só esperando ver a luz do dia...

"Where Has the Love Gone?" não está nos meus planos... sorry... Aliás, vai levar um tempo até Kylie reaparecer por aqui. Detesto postar um link e no dia seguinte ele ser deletado, então meu kool pra Kylie e a sua gravadora.

Beijos,
Maddyrain

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela