Sabedoria dildística

[modo "Madre Maddyrain do Cú-que-Dá" on:]

Vocês sabem, meus amores, que na minha tenda mística (localizada no Viaduto Santa Ifigênia) eu recebo xente de todos os tipos, cores, tamanhos, espessuras e sexos. Sem o menor preconceito. Tá, eu confesso que não gosto de xente MUITO feia, mas acho que ninguém gosta, néam? Se tiver cicatriz na cara, fico gelada. Já sinto até arrepio só de pensar!
Mas outro dia eu tava lá, torrando dentro da minha tenda, sentada num sábio, grande e duro falo plástico quando uma mulher... uma MULHER... entrou pra se consultar comigo. Já olhei feio. Não sou obrigada a gostar de mulher, néam? Aliás, até gosto de mulheres... quando trabalham em casa. Enfim, o dinheiro falou mais alto e, sem sorrir, mandei a ordinária se sentar.

Sentar aonde, ela perguntou. Senti pelo tom de voz que ela trabalhava na Galeria Pagé. Sente-se no chão, meu amô. Você é da Galeria Pagé, néam? Não. Sou do Mundo Oriental. Como se houvesse grandes diferenças de uma coisa pra outra, Donna Summer! É tudo muamba e chineses sujos!
Se tem uma coisa que eu não consigo disfarçar, nem bêbada, é minha antipatia. Em que posso te ajudar?, já fui perguntando enquanto acabava de folhear o catálogo do Avon da mocinha da banquinha ao lado. Me falaram que você é boa. Boa eu sou, não tá vendo? Tudo construído cirurgicamente, mas não sou pro teu bico, meu amô. A não ser que você seja trava e pirocuda. Trava? Éam. Travesti. Tu é travesti, loka? Eu não! Logo vi. Senti no ar o cheiro da sua racha.

Já vi muita travesti que engana, tzá? Vide eu mesma! Então o que você quer comigo, meu amô? Te falaram que eu sou boa e só atendo seres com rola, néam? Vim me consultar. Você não é mãe de santo? Olha, tá difícil de encontrar um santo decente pra adotar, confesso. Sou uma vidente do amor. Eu já senti logo que você entrou aqui que você era mulher e trabalhava na região e queria um amor. Tô certa ou tô errada? Nossa, você é boa mesmo! Eu tô a procura dum amor eterno, fiel e... que me satisfaça. Quer ter satisfação anal ou vaginal, gata? Porque tem diferença! A racha corou. Os dois.
Nunca vou entender porque tem xente que tem vergonha de admitir que dá o kool e gosta! Levantei-me e fiquei de cócoras na frente dela. Eu vou fazer sua consulta baseada no grande e sábio dildo dentro de mim. Você acredita no poder da borracha?! Ela me olhou sem entender absolutamente nada. Acredito! Então vislumbre a verdade!

Fiz força (pouca, admito) e o dildo caiu pra fora do meu edy fazendo barulho ao cair no chão da tenda. Pra acompanhar e criar um clima de mistério, soltei um leve peidinho pós-arrombo. As passivas de plantão sabem do que eu tô falando. A racha esbugalhou os olhos.
Isso tudo tava dentro de você?! Sim, e ainda tem outro aqui, mas tô guardando pro próximo cliente. Agora pegue o dildo com carinho como se fosse seu. Ela olhou de novo pro dildo e voltou a me encarar com nojo. Outra coisa que nunca vou entender. Todo mundo caga e, após se limpar, dá aquela olhada safada no papel higiênico. Quando a bosta é alheia, só faltam vomitar o café da manhã ali mesmo. Pegue!, ordenei.

E ela pegou. Agora vamos ler a nena impregnada no dildo. Tá vendo essas veias que simulam as veias reais duma neca nervosa? Entaum, sempre fica um pouco de nena acumulada aí. Ela fez cara de que entendia e concordava com tudo que eu falava. Tá aqui bem claro pra mim o que tá impedindo você de arranjar um bophy, meu amô. O que é? O que é? Você não é uma racha muito atraente, essa é verdade. Mas enfim, homem hetero tem o péssimo costume de traçar qualquer racha que lhe cai na frente, então isso não é um grande problema pra você, néam? Vou te passar um banho pra tirar esse mal olhado que te colocaram, porque aí também tem olho gordo de racha invejosa. Eu tô pra ver raça mais invejosa! Bom, tem as bichas, que Jesuis... Mas enfim, você vai precisar de rosas vermelhas da Bulgária, óleo de flor de laranjeira da Itália, polpa de maracujá da Costa de Marfim, âmbar de Moçambique e flor de baunilha de Madagascar. Mistura tudo numa panela e se banha durante três noites.

Ela anotou minhas dicas como se fossem a palavra da salvação, glória a vós Senhor. É maldade... eu sei... mas gosto de pensar que o destino... que a sorte de alguém é definida pelos mirabolantes caminhos que minha xuca mal feita faz num dildo vagabundo (mas grande) que comprei num sex shop da Liberdade. A xente busca algo que nos complete em cada lugar, néam? 
Se antes de mais nada nos amássemos mais... se nos déssemos o devido valor... a busca pelo par ideal seria muito mais fácil. Mas nunca é. A cada rejeição e decepção a xente faz justamente o contrário. Passamos a achar que o problema tá na xente. Que não somos bons o suficiente pra agradar os outros. E quem é que te agrada? Um corpo bonito com o rosto com barba por fazer que deixa seu edy todo machucado no dia seguinte? Você aguentaria conviver com alguém assim?

Um beijo,
Madre Maddyrain do Cú-que-Dá

[modo "Madre Maddyrain do Cú-que-Dá" off.]

Love is All We Need

Instrumental
Accapella
Remix feat. Foxy Brown
Remix Instrumental
Instant Flava Remix
Elusive Club Mix
D.Y.M.K. Club Mix
Hard on Dub
Mark!s Needy Vocal
Mark!s Faster Mary Faster Dub
Cutfather & Joe Remix
Cutfather & Joe Stripped Down Mix


O que a xente precisa é cafuçu dotado!
Hora de você liberar todo o poder gueto dentro de você com a Mary J. Blige, meu amô! Confesso que não sou fã absoluta dela, mas gosto de algumas coisinhas. "Love is All We Need" não é muito famosa, mas ganhou remixes legais. Por isso, terá seu lugar ao sol aqui no meu blog!
Vamos começar fazendo a linha black diva com o Remix feat. Foxy Brown, que sampleia não sei qual música que também foi sampleada num remix de "Underneath the Stars", da Mariah Carey! Um troca troca danado! O Cutfather & Joe Remix também vai nessa linha e é interessante pra quem esse tipo de som. Realmente não sei qual é a diferença entre os dois remixes deles.

Felizmente, "Love is All We Need" também recebeu remixes dançantes! Para a nossaaaa alegria! Vamos começar como house chic do Boris Dlugosch com o Elusive Club Mix. Um dance animadinho e phyno. O D.Y.M.K. Club Mix é praticamente idêntico, mas com algumas batidas a menos. O Hard on Dub é mais jogativo e mais ahazzante!
Temos também os remixes do veterano Mark Picchiotti. O Mark!s Needy Vocal também segue a linha dance chic do remix do Dlugosch. Uma delícia. O Mark!s Faster Mary Faster Dub é mais interessante, pelo menos pra mim, que sou uma bilu dubística!

Maddyrain não tem, Maddyrain quer:
Olha, encontrar certas coisas da Mary J. Blige também é um saco, viu!?

radio edit without rap  4:16
remix acappella  4:13
hardbeat  6:52
the sottotono remix  3:44

2 Bilus felizes:

Washington Batista disse...

Maddy, eu já disse tantas vezes que vc é escritora, que tem talento, lirismo... Lembra do "lirismo"? só eu msmo né? Pois bem, eu to sentindo tudo o que vc disse no final do ultimo post:

"A cada rejeição e decepção a xente faz justamente o contrário. Passamos a achar que o problema tá na xente. Que não somos bons o suficiente pra agradar os outros"

Meoo Deooos vc usou todos os meu pensamentos e angústias nessa frase. Isso mostra mais uma vez que vc nasceu pra isso gata. Expressar o que sentimos. Esse é o papel do artista.

Bjos (e prepare logo esse livro!!!)
Ash

Maddyrain disse...

Gato,
Obrigada novamente pelas palavras! Fico super contente, de verdade.

Acho que quando escrevo algo que se passa no coração e na cabeça dos meus leitores isso significa o quanto nossas angústias, questionamentos e desejos são, muitas vezes, compartilhados. Não estamos sozinhos no mundo, e isso é bom!

Quanto ao livro, você bem que podia ser um editor ryko e pirocudo, néam? Além de publicar um livro, traçava você lindamente!

Um beijo,
Maddyrain

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela