Vamos falar da Madonna: Hard Candy

A carreira da Madonna nunca foi tão montanha-russa loka e frenética como nos últimos lançamentos. Depois de chocar o mundo com sua fase eletrônica no "Ray of Light", ela decidiu ir ladeira abaixo com o electric folk "Music". Em seguida, não contente, decidiu se afundar mais na merda com o péssimo "American Life". Buscando redenção entre fãs e críticos, lançou o maravilhoso "Confessions on a Dance Floor". Buscando sei lá eu o que, se jogou no que havia de mais comum e manjado no mercado fonográfico com o "Hard Candy". Resultado: uma legião de fãs ficaram enfurecidos, invadiram a casa da bunita, queimaram sua coleção de itens de colecionador e agora curtem Adele. A loka!

Quando vazou na Internet que o possível nome do álbum novo seria "Black Madonna", às margens do Rio Piedra sentei e chorei. Xente, gomoasí!? Como é que a Madonna ahazza e traz o brilho de volta aos meus olhos com o COADF e agora decidi se jogar na black music? As coisas não melhoraram muito quando foram anunciados os produtores do "Hard Candy", Timbaland e Pharrell Williams. Antes de jogar as pedras, tenho que confessar que eu até gosto de algumas coisas produzidas pelo Timbaland, como as músicas pra Nelly Furado, mas na época do "Hard Candy", o mocinho (gordinho, por sinal) tava em simplesmente TODOS os clips! Todo mundo queria trabalhar com ele, até a Celine Dion! Era o fim dos tempos!
Pra dar uma averiguada na opinião geral quanto essa mudança de ares, de repente, não mais que de repente, vaza misteriosamente na Internet a versão demo de Beat Goes On. Eu não tava preparada pra essa onda r'n'b na minha vida não!

O engraçado é que, na época, eu e muita bilu fã da Madonna acabamos esquecendo que essa não seria a primeira vez que a bunita se esfregaria numa sonoridade mais black. "Bedtime Stories" alguém?
Diferente do "Bedtime Stories", que, mesmo sem inovar muito o r'n'b da época, ainda tinha algumas coisinhas dance e baladjénhas fofas, eu não coloquei muita fé no "Hard Candy". Seria mais do mesmo sem dúvidas.

Eis que em abril de 2008 a espera acabou! "Hard Candy" foi lançado, mas vou ser bem franca e dizer que me joguei primeira nos downloads, viu? Eu queria a edição limitada, então esperei um pouquinho. A dita cuja é muito fofolete: uma caixa contendo o CD com alguns remixes de bônus e um monte de balinhas de menta. Tudo na vibe proposta pela direção artística do "Hard Candy", que aliás é bem cagada.
"Hard Candy" foi lançado com diversos remixes extras nas edições digitais, mas vou colocar aqui só o que importa!

1- Candy Shop
2- 4 Minutes (single)
3- Give It 2 Me (single)
4- Heartbeat
5- Miles Away (single)
6- She's Not Me
7- Incredible
8- Beat Goes On
9- Dance 2night
10- Spanish Lesson
11- Devil Wouldn't Recognize You
12- Voices
13- Ring My Bell (bônus da edição japonesa e do iTunes)
13- 4 Minutes (Tracy Young House Edit) (bônus da edição limitada)
14- 4 Minutes (Rebirth Remix Edit) (bônus da edição limitada)

O álbum abre com Candy Shop, um r'n'b com batidas pesadas que introduz perfeitamente a proposta do "Hard Candy". Quem já tava com medo da Madonna negra acabou ficando apavorado!
O primeiro single lançado foi 4 Minutes, produzida pelo Timbaland e com vocais do delícia Justin Timberlake. Sempre achei a escolha um pouco duvidosa, mas nada como ganhar dinheiro, néam? Justin Timberlake tava na crista da onda (eu e minhas gírias idosas), além de ser um tesudo. Mega chupava. A música continua o clima r'n'b com mais melodia e uma corneta... ou sei lá eu qual instrumento... que te persegue pelos quatro minutos da música. Não é uma das minhas favoritas do "Hard Candy", mas também não é tenebrosa!

O segundo single foi Give It 2 Me e acho essa música uma delicinha de dançar. O Pharrell misturou muito bem o climba gueto com o club diva. A parte do refrão é um ahazzo! Em seguida temos Heartbeat, que me encantou depois que eu vi ao vivo. Não era lá muito fã dela, mas é incrível como a xente muda de opinião depois que vai a um show ao vivo, néam? A música em si não adiciona nada de muito novo à sonoridade do álbum, mas é tão bonitinha!
A primeira baladjénha do "Hard Candy" é Miles Away. Abre com um violão que me deixou preocupada na primeira vez em que a ouvi. Só falta ser uma daquelas chatices com violão! Mas naum! Ufa! O que eu mais gosto em Miles Away é a letra. Muito bonita e representativa de vários relacionamentos virtuais que já tive nessa vida calejada.

She's Not Me tem uma pegada disco bonitinha, mas é muito longa! Seis minutos é demais pra uma música que muda pouco durante sua evolução. Ao vivo também foi ahazzante!
A primeira cagada no "Hard Candy" pra mim é a PÉSSIMA Incredible, que também é enorme. Madonna deve ter comido merda quando decidiu colocar essa música no tracking list final. Jesuis! Tem uma hora que fica uns bophys gritando que... por Diana Ross... não dá!

Outra que ganhou (e muito) minhas graças após o show foi Beat Goes On (além de ter sido retrabalhada após o vazamento na Internet). Toda vez que a escuto lembro da Madonna entrando no palco em cima daquele carro e pulando pra lá e pra cá. Uma delícia! Até a parte com os vocais do Kanye West eu acho sexy! #prontofalei
Dance 2night também segue a linha mais old skool de She's Not Me, mas acabo escutando pouco ela. Não é péssima, mas... enfim... peidinho pra ela. Muitas músicas do "Hard Candy" mostram no final que tinham potencial pra serem diferentes... e mais interessantes. Dance 2night é assim.

Outra merda TERRÍVEL do "Hard Candy" é Spanish Lesson, que acabou indo pro show também. Nessa hora eu juro que queria sumir do estádio. Acho de uma imbecilidade enorme. Quando conheci Madonna no backstage, virei pra bunita e falei: Madonna, gata, você NUNCA fará algo latino como La Isla Bonita novamente. Fika a dika.
O álbum fecha com duas baladinhas muito bonitinhas. Devil Wouldn't Recognize You ganhou uma performance simplesmente mágica ao vivo. A música é muito bonita e também tem uma letra interessante. A outra balada é Voices, mas essa se joga mais na pegada r'n'b com cordas. Também é bonita e encerra muito bem o "Hard Candy". As bilus japonesas ganharam, ainda, Ring My Bell. Presente de grego. Antes fosse um remake do clássico da Anita Ward!

Como já fui falando acima, pra ajudar a divulgação do "Hard Candy", Madonna percorreu o mundo com a "Sticky & Sweet Tour". Não preciso nem relembrar vocês de que a bunita retornou ao Brasil e ahazzou com cinco apresentações por aqui. Um looshu! Acho que nem ela esperava tanta xente reunida em todas as noites!
Foi minha primeira vez num show ao vivo da Madonna e foi uma experiência incrível. O nível de detalhes e perfeição técnica é incrível. Talvez por isso tenho certo carinho pelo "Hard Candy".

No geral, indo contra a turba, eu gosto do "Hard Candy". Não acho o trabalho mais criativo da Madonna, mas também tá longe de ser o mais dispensável. Madonna conseguiu extrair de produtores já saturados músicas divertidas e gostosas. Afinal, não é pra isso que se faz pop music? Madonna tem uma capacidade única de se reinventar em praticamente todo trabalho que lança e, embora não tão audacioso, o "Hard Candy" tem lá seus méritos. Às vezes acho que o excesso de críticas dos fãs é na verdade mágoa de caboclo...
No próximo post, o último dessa LONGA jornada pela carreira da Madonna, vou falar brevemente sobre o "Celebration" e comentar sobre alguns lados b, parcerias ou músicas raras que ficaram de fora dos álbuns.

Um beijo,
Maddyrain

Give It 2 Me

Edit
Demo Version - Infinity
Oakenfold Remix
Oakenfold Extended Remix
Oakenfold Edit
Oakenfold Drums in Mix
Paul Oakenfold Remix Edit
Paul Oakenfold Dub
Eddie Amador Club
Eddie Amador House Lovers Mix
Ed Club 7 Edit
Ed Club 5 Edit
Ed Houselover 5 Edit
Ed Dub
Ed Dub 7 Edit
Jody den Broeder Club
Jody den Broeder Dub
Jody Club 7 Edit
Jody Edit
Jody Edit TV
Tong & Spoon Wonderland Mix
Tong & Spoon Wonderland Radio Edit
Tong & Spoon Get Stupid Dub
Fedde Le Grand Remix
Fedde Le Grand Remix Edit
Fedde Le Grande Dub
Sly & Robbie Bongo Mix
Sly & Robbie Dance Hall Mix
Sly & Robbie Ragga Mix

Part I - If it's against the law, arrest me...
Part II -  If you can handle it, undress me...

Me dá a sua neca:
"Give It 2 Me" foi o segundo single de "Hard Candy" e eu sempre achei que devia ter sido o primeiro. Eu adógo essa música e acho que ela super casa bem elementos dance, mais tradicionais ao universo da Madonna, com batidas e vibe r'n'b, coisas do produtor Pharrell Williams (aquela coisa feia). Se joguem na versão Edit e curtam esse sonzinho que fez muita fã da Madonna ficar com os pelos da xereca em pé!
Pras mais curiosas de plantão, tem também a versão demo de "Give It 2 Me", que era pra ser chamada "Infinity". O que restou pra versão final foram alguns versos, mas o instrumental, ainda em estato precário, é bem diferente.

"Give It 2 Me" é uma das músicas com maior número de versões da Madonna, mas isso se deu graças a uma caralhada de edições feitas pelo pessoal da Warner nem sei bem o motivo. No geral, os remixes de hoje são ótemos e válidos, a começar pelo arroz de festa Paul Oakenfold, que ahazzou com o Oakenfold Extended Remix, deixando a música bem dançante e dublativa. Os outros remixes dele são variações mínimas do remix principal.
Eddie Amador deixou a música ainda mais club diva e pintosa com o Eddie Amador Club. Uma loucura e esse é o remix que inspirou a versão que toca no final da "Sticky & Sweet Tour". Aim, que saudades! O Eddie Amador House Lovers Mix é menos tribal, mas continua ahazzadora de edys. Recomendado!

Outro que ahazzou com a biluzada foi o Jody den Broeder com o Jody den Broeder Club! Uma coisa... assim... BEM travesti! Aquelas batidinhas são quase que hipnóticas! Fico loka e histérica do meu kool! Madonna devia chamar mais o bunito pros seus próximos singles.
O Tong & Spoon Wonderland Mix é um pouco... muito pouco... mais contido, mas não menos interessante. Madonna deve ter pensado com muito carinho nas suas fãs travecas quando escolheu os DJs! A loka!

Como nem tudo é flores, temos o estilo que nem sei classificar do Fedde Le Grand Remix, que fica muito atrás dos outros remixes. Não é ruim, mas também não me abala emocionalmente.
Por fim, os PÉSSIMOS remixes do Sly & Robbie, que vão seguem uma vibe reggaeton que a Madonna definitivamente deveria evitar pra não decepcionar ainda mais seus fãs que estão quase pegando o caminho da roça.

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela