O meu destino é ser corna

Abri a porta do banheiro bem devagarinho. O vapor do banho quente fugiu pra fora. Gersonswald estava de costas se ensaboando inteiro e nem percebeu meu vulto descabelado segurando no alto a faca de fatiar carnes. Caminhei até ele sem fazer qualquer barulho. Levantei ainda mais meu braço, pronta pra desferir o golpe que livraria o mundo de mais um filho da puta, quando alguém me puxou pra fora do banheiro rapidamente sem nem dar tempo de eu gritar ou ele perceber que tava prestes a morrer.

_ Maddyrain, você tá louca? Tipo... de novo?
_ Litta Walitta, me deixa! Eu preciso saciar minha sede por sangue!
_ Que é isso, viado!? Virou vampiro? O que você andou cheirando? Já não mandei você largar aquele pó esquisito que te trouxeram da Guiana Francesa?!
_ Eu peguei esse corno me traindo na minha própria cama!
_ Hmmm... então quem é corna nessa história é a senhora, né?
_ Aim, Litta... eu preciso de qualquer coisa agora, menos ser gongada...
_ Desculpa, gata. Vem cá. Dá um abraço, mas larga essa faca primeiro. Pronto. Isso... pronto, já passou. Viado desiquilibrado. Às vezes eu acho que quem devia se tratar no psiquiatra é a senhora, não eu.
_ Litta, seja bem sincera! Eu tô ficando feia? Eu sei que engordei, mas eu tô... assim... desprezível? Você comia?
_ Bêbada eu até comia, Maddie. Não tenho um alto nível de seleção, você sabe. Mas não pense que o problema é você, gata. E você acha que ia resolver muito matando o cafuçu aqui em casa? E o que faria depois? Já parou pra pensar?
_ Naum sei... sei lá. A xente podia colocá-lo dentro da geladeira e enterrar num terreno baldio.
_ Maddyrain, eu já vi esse filme.
_ Eu ia matar e jogar o corpo pela janela! Aqui é o Centro, Litta! Tudo é permitido!
_ Só lhe faltava ser presa mesmo... DE NOVO! Agora vai dar um jeito nessa cara de travesti à beira de um ataque de nervos. Penteia esse cabelo. Limpa essa maquiagem borrada. Comprei um computador novo pra gente e quero passar a noite me exibindo na webcam! Vamos todas passar a noite mostrando os peitinhos! Que nem nos nossos tempos de glória!

Entrei com nojo no quarto. Minha vontade era tacar fogo na cama. De preferência com Gersonswald e sua piranha deitados nela! Sentei de frente pra penteadeira e olhei pro meu próprio rosto no espelho. Jesuis... eu não dava pra mim mesma! Bom... eu não me comeria. Aim... eu não comeria ninguém. Só tenho comido comida. E muita. Vou entrar na academia! Ficar magra de novo! Saradinha! Na medida certa! Não quero virar retardada de academia que nem todo mundo! Serei desejada! Andarei na rua e o povo vai mexer comigo! Não vão mais gritar "Olha lá o viado!" Vão gritar "Ai se eu te pego.. ai ai..." Ai, tomara que não gritem isso naum!
Limpei o rosto. A maquiagem tava completamente borrada. Peguei o pente e puxava os cabelos emaranhados com força. Tentei sorrir e nunca pareci tão ridícula. Abri uma gaveta e procurei algo cortante. Algo que machucasse ele ou eu. Gersonswald entrou no quarto e levou um susto ao me ver sentada no escuro.

_ Amor! Você já chegou?
_ Oi... já... Tava dormindo? A cama tá dessarumada.
_ É. Tirei um cochilo gostoso pra passarmos a noite fodendo gostoso. - deixou a toalha cair e veio me beijar no pescoço. Diana Ross, que nojo! Afastei ele com os ombros - Que foi?
_ Nada, naum. Acho que comi um salgado estragado no velório. Vou tomar um banho bem quente pra relaxar.

Na sala, Litta Walitta fazia o que mais gostava depois de beber, foder e se drogar: instalava o novo computador. Entreguei no banheiro sentindo dores pelo corpo inteiro. Tava cansada. Parecia que tinha carregado o peso do mundo o dia inteiro. Sentei na privada e revirei o cesto de lixo em busca de vestígios da traição. Encontrei uma camisinha escondida no meio do papel higiênico. Abri a tampa da privada e vomitei de raiva. E também de nojo do papel de ridícula que eu tava fazendo. Quantas vezes já trai, Jesuis?! Nem eu lembro mais! Mas quando é a xente que leva os cornos, ai como dói! Como dá raiva!
Deixei o banho quente me acalmar. Fechei a torneira, sentei no chão do box e acendi um baseado pra relaxar ainda mais. Nos meus delírios, via eu matando Gersonswald de diversas formas. Uma mais violenta que a outra. Aim, tenho jogado muito video game! Que horror! Não sou assim violenta! Ou sou? Levantei, me sequei e fui pro quarto. Litta me chamou pra ver o computador novo já ligado, mas eu tava muito cansada. Abri a porta do quarto e Gersonswald me esperava na cama... pelado e de pau duro. Diana Ross adora perturbar minha vida!

_ Olha o que eu tenho pra você.
_ Aim, Gerson... eu tô cansada. Quero dormir.
_ Deita aqui do meu lado. Vou te fazer uma massagem gostosa e você não vai querer desgrudar do meu pau.
_ Por favor, eu só quero deitar e dormir. Já tomei uns remédios da Litta e só volto a ser Maddyrain amanhã. Para de se esfregar em mim, sim?
_ Aconteceu alguma coisa, Maddyrain? O que foi? - será que notei mesmo um leve medinho na voz dele?
_ Não é nada. Acho que foi o velório. Fiquei muito impressionada com o morto. É isso. Um beijo. Boa noite.

E apaguei o abajur. Virei de lado na cama e Gersonswald pro outro. Bufou alguma coisa, mas eu, na força pra segurar o choro, não entendi.
Passei a noite olhando pra fora da janela e querendo estar em qualquer outro lugar, menos naquela cama maldita e fedida. Às vezes levantava e revirava o quarto procurando algo terrivelmente mortal. Ou então, ia pra janela e fazia uma carreirinha lá mesmo. Quando peguei no sono, sonhei que transava com o defundo necudo na frente de todo mundo no velório. Que horror! Não sou assim! Ou sou?!

Um beijo,
Maddyrain

All Cried Out

Radio Edit
Dance Remix
Extended Cub Remix
Dub Remix
Acapella Remix

Add me to the broken hearts you've collected...

E eu na sua lista de fodinhas:
Hoje é dia de você afogar suas mágoas num copo de vodka com Coca e cortar os pulsos com essa baladjénha super tristonha produzida pela Mariah Carey. Aliás, "All Cried Out" grita Mariah Carey por todos os cantos. Pode se jogar no Radio Edit pra conhecer. Eu acho super bonitinha e os vocais são dubabadu!
Todos os remixes de "All Cried Out" que eu tenho são do Hex Hector e são daquela época de ouro do bunito. Não preciso nem indicar o Extended Club Remix, néam? Perfeito pra você sair batendo o cabelo pela casa até acertar a cabeça na parede e desmaiar na sala. Sente o drama! O interessante é que os remixes só têm os vocais das mocinhas do Allure. Os bophynhos de um grupo qualquer da versão original foram simples e lindamente omitidos. Tadinhos!

Maddyrain não tem, Maddyrain quer:
Xente, é bom esses remixes serem bons (mas desconfio que são uma merda, já que ninguém tem)!

mark morales final remix 5:00
mark morales perc-a-pella 5:00

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela