O bom companheiro

Sabem quando você tá com aquela puta enxaqueca estourando na sua cabeça e até piscar o edy faz tudo tremer? Entaum, eu tava assim outro dia. Mas sei bem o motivo: padê de origem desconhecida. Fui com Litta Walitta na Sta. Efigênia comprar um novo computador pro nosso cafofo e descobrimos um fornecedor que dizia misturar química com informática. Ficamos lokas com a possibilidade de um surto cibernético e eu ganhei uma bela dor de cabeça.
O celular tocou e pedi pra Kilo Minhoca atendê-lo.

_ Alô, Kilo Minhoca falanu no lugar de Maddyrain. Ah! Oi, tudo bem? É a mocinha da "Festinha Animadinha"? - Kilo me olhava perguntando o que fazer. Fiz gestos pra ela continuar a ligação. A xente tava precisando de dinheiro pra trocar os azulejos do banheiro mesmo - Não, não. Pode falar. Uma festa pra hoje? - fiz que sim com a cabeça e fui ao banheiro pegar a cestinha de remédios da Litta Walitta pra fazer um coquetel e matar a enxaqueca na base da porrada - Aonde é que vai ser? Hmmm... Aracy? Não, não conheço, mas passa o endereço que o taxista é obrigado a saber. Magina, eu que agradeço. Até lá! Trabalho pra nós, meninas! Uma festa muito sóbria e a gente vai ter que estar usanu preto.
_ Chanel! - Litta foi rápida no gatilho.
_ Gaultier!
_ Aim, me sobrou o que!? Marisa!?
_ Não. Tem um Pakalolo que deve servir em você ainda...

A noite chegou, tomamos nosso banho e chamamos o táxi. Estranhei o caminho e fiquei Belenux quando o taxista parou em frente ao Cemitério do Araçá.

_ Moço, você tem certeza que é esse o lugar?
_ Absoluta, dona.
_ Kilo, a senhora anotou certo o endereço? Quem é que faria uma festa num cemitério!?
_ Ai, que horror. Claro que anotei!
_ Mas a mocinha falou Aracy!?
_ Bom...
_ Ah, já até imagino o que aconteceu! Ela falou Araçá e a bunita entendeu Aracy porque tudo fica mais bonito em inglês ou francês! - a mocinha da "Festinha Animadinha" saiu do velório e veio nos receber, comprovando (pra minha tristeza) que a festa seria ali mesmo.
_ Ai, que bom que vocês chegaram! O clima lá dentro tá tão pesado...
_ Gata, vem cá. Quem é que faz uma festa num cemitério? Eu não sou gótica ou adepta dessas coisas naum!
_ Necrofilia não é com a gente! - Litta é sempre a mais hardcore.
_ Ai, que horror!
_ Não sejam bobas! Não é festa, é uma recepção funerária. Vocês vão servir alguns petiscos durante o velório do... deixa eu ver aqui... senhor Pinto.
_ Hmmm... que nome sugestivo.
_ Meninas, por favor, não preciso nem pedir, né? Discrição TOTAL!
_ Gata, discrição é o nosso sobrenome.

A festa... digo, o velório... tava como todo outro velório. O defunto no meio da sala, os parentes em volta chorando e a viúva inconsolável num canto. Kilo Minhoca se recusou a ficar andando pela sala com o caixão e ficou na parte externa. Litta Walitta e eu ficamos responsáveis por servir coxinha e risoles enquanto o povo admirava o santinho. Jesuis, cada uma que me meto! Já não gosto de velório, agora sou obrigada a vir num velório de xente que nem conheço!?

_ Maddy, essa festa tá muito xoxa.
_ Talvez porque não seja festa, néam Litta?
_ Mesmo assim. Já fui em velórios mais descontraídos. Vou colocar um pouco de Balalaika no refrigerante, mas antes, vamos inaugurar a garrafa. - e viramos um pouquinho goela abaixo.
_ Diliça!

Fui servir os convidados... ou seja lá como se chama o povo que vai ao velório... mais próximos Linkao caixão e decidi dar uma olhada no defunto. Vamos ver se ele é... era... fazible. Espichei os olhos. Velho e com aquela coloração comum aos mortos. Meio que parecendo de cera. Xente, que horror esse algodão no nariz, néam? De repente, não mais que de repente, o defunto abriu e fechou os olhos rapidamente. Reação instantânea:

_ MEU KOOOOOOL! CARALHO! - Litta veio correndo.
_ O que foi, Maddyrain!?
_ O DEFUNTO ABRIU OS OLHOS! ESSE HOMEM NÃO TÁ MORTO, MINHA XENTE!
_ Longo!? Longo, você tá vivo!? - a viúva levantou surtada da cadeira e veio abraçar o defunto.
_ "Longo"? O nome dele era Longo Pinto!?
_ Era.
_ Aim, e me fala... era longo mesmo?
_ Saia daqui! Tirem essa mulher daqui!
_ Vem, Maddy. Vamos servir refrigerantes lá fora. A senhora também, viu! Chega de vodka pra você!
_ Mas ele acordou! Eu vi com esses olhos que a terra há de comer!

O velório continuou naquela monotonia insuportável. O padre chegou e estranhou o povo meio animado dando risada e conversando sobre futebol. É o poder demoníaco da cachaça. Fez a reza dele e eu, Litta e Kilo Minhoca decidimos prestar nossa homenagem final ao defunto Longo Pinto.

_ Xente, xente! Calma... ui! Esse mundo tá rodando! Tá rodando! A xente queria prestar uma homenagem ao Pinto Longo...
_ Longo Pinto.
_ Ai, que seja. O importante é que era grande. A xente vai cantar uma músiquinha pro defunto subir mais contente. Um, dois, três.

O Pinto Longo é um bom companheiro...
(Era)
O Pinto Longo era um bom companheiro...
O Pinto Longo era um bom companheirooo...
Ninguém pode negar!

A plateia aplaudiu, menos a viúva frenética e histérica, que não havia bebido nem comido nada a noite inteira.

_ Obrigadjénha! Obrigadjénha!
_ SAIAM DAQUI, SUAS ORDINÁRIAS! NÃO TÊM RESPEITO NEM PELOS FALECIDOS!?
_ Jesuis! Essa mulher precisa ser sedada!

Fomos gentilmente convidadas a nos retirar do velório e eu acabei nunca descobrindo se o Pinto Longo tava mesmo morto ou era só fingimento. Mas o pior é não ter descoberto se o pau dele era grande ou não! Já pensou se não? Que decepção!

Um beijo,
Maddyrain

I Say a Little Prayer

Keith Andes Remix
Reggae Mix
Love to Infinity's Classic Mix
Love to Infinity's Classic Radio Mix
Love to Infinity's Classic Instrumental Mix (low quality...)
Love to Infinity's Vortex Voyager Mix
Love to Infinity's Vortex Voyager Instrumental Mix (low quality...)
Love to Infinity's Love Groove

Forever and ever you'll stay in my heart...

Chupa meu edy no casamento do seu melhor amigo:
Meu amô, se você NUNCA ouviu "I Say a Little Prayer" na voz da Diana King, principalmente o remix do Love to Infinity, se mata e depois volta no tempo! Esse é o maior hit da carreira da bunita e, provavelmente, o remix mais representativo do LTI. Não preciso nem dizer que praticamente TODOS os trabalhos deles têm essa mesma sonoridade, mas enfim. Não sou uma bicha repetitiva.

Como já era de se esperar, a xente vai ignorar as outras versões e vamos nos jogar direto nos remixes do LTI, que são bem diferentes entre si. O crássico Love to Infinity's Classic Mix é uma delícia e é impossível não querer dançar quando ele toca. Adógo!
O Love to Infinity's Vortex Voyager Mix é, na verdade, um dub bem despirocado e MEGA diferente do Classic Mix. É também diferente do que tornou o LTI conhecido e mostra que, mesmo sempre se apoiando na mesma base e batidas, eles conseguiam fazer coisas incomuns e interessantes. O Love to Infinity's Love Groove é COMPLETAMENTE diferente e segue a linha "calma-lá-minha-filha". Bem calminho e meio r'n'b. Quem esperava por essa, minha xente?!

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela