Meu amigo banheiro

Nestes dias de completo tédio corporativo em que o nada pra fazer é multiplicado por mil, descobri o aliado perfeito pro ócio e quero compartilhar com vocês esses segredos meus. Deixo aquela pilha de documentos esperando minha aprovação e vou ao banheiro. Pra uma bilu impossibilitada de dar o edy, a xuca perde seu posto de melhor amigo. Joanete Filha do Jack me olha com cara de kool. Já vai ao banheiro DE NOVO? Sim, vou. Ou a senhora também quer cuidar da minha bexiga?
O banheiro do nosso andar é o típico banheiro de escritório: alguns reservados, uns dois mictórios sempre exalando aquele odor convidativo e a pia com espelho. Nada muito fora do padrão, tirando as paredes descascadas e a cerâmica pra lá de usada. Encontrei a chave do banheiro pendurada na fechadura e pensei outro dia E se eu me trancar neste banheiro e tirar um cochilo!?

Olhei ao redor e encontrei um montinho de papel toalha, daquele bem vagabundo mesmo... aquele rosado que mais machuca do que seca a mão, e coloquei no chão pra servir de travesseiro. Como minha roupa social é tudo menos limpa e nova, deitei ali mesmo, sem demora. Cruzei os braços no peito na posição de defunto. Se arrombarem a porta no desespero pra cagar, acharão que eu morri. Vou falar que tive um piripaque repentino. E fechei os olhos. Achei que o sono ia demorar pra vir, mas veio logo. Acordei com meus roncos altos ecoando no banheiro. Aim, que loucura! Será que ouviram do lado de fora?! Será que alguém tentou mijar?! Será que sentiram minha falta?! Olhei no relógio de pulso e vi que tinha cochilado por apenas 5 minutos. Bom... o tempo médio de uma gagadinha básica.

Voltei pra minha mesa como se nada fosse. Joanete me olhou com aquela cara de "Você tava fazendo coisa errada". A pior coisa que tem é ficar manjada pelos amigos. Dei de ombros e olhei praquela montanha de papelada branca, sem graça e fedida. Vou tirar OUTRO cochilo. Naum... peraí. Acabei de chegar! Vai dar muito na cara! Aim, meu kool! Digo que tô com caganeira. E levantei. Joanete se virou com um olhar penetrante até o talo da alma. Nossa, mas você deve ter comido algo bem pesado, né? Sim, acarajé. Ela me olhou com espanto. Aposto que não existe mais acarajé no futuro faz tempo!
Voltei pros braços do meu amigo, o banheiro. Pra não monopolizar o banheiro, decidi dormir num reservado. Sentei na tampa da privada, encostei a cabeça na parede do reservado e vi o sono vir até mim. Acordei num pulo com o barulho de alguém entrando no reservado ao lado.

O porta papel higiênico tinha sido arrancado há décadas e o que sobrou foi apenas um buraco considerável na parede do reservado. O buraco olhou pra mim. Eu olhei pro buraco. O bophy ao lado abriu a braguilha. Será que tem necão? Vou dar uma espiadinha de leve... nada muito comprometedor. Não dava pra ver nada pelo buraco a não ser a mão do bophy pegando no pau. E que pau! Não sei se foi a falta crônica de piroca que a morta de Fabinho das Bananas me causou, mas só sei que a rola era odara. A mão era forte e peluda. Mão de macho. Salivei do outro lado e devo ter feito algum barulho. Provavelmente foi aquele peidinho básico que me acompanha desde pequena sempre que fico excitada.

Quem tá aí, porra? Fiquei quieta e tirei o olho do buraco. Aim, Diana Ross! O bophy tá olhando pelo buraco! Guêgueeufassu?! Já sei! Vou baixar a calça e mostrar o edy! Empurrei a bunda contra o buraco na parede com tanta força e desespero que o bophy, no susto, voou longe. Puta merda! Um rabo! Pra minha TOTAL surpresa, ele meteu a boca pelo buraco. Aim, que delícia! Quanto tempo que não ganho um cunete! Vai ter que chupar minha pica depois! Aim, garai! Eu falei! Pensei que eu tava pensando! Agora me chupa e isso nunca mais vai sair daqui. Será nosso segredinho. O bophy colocou a pirocona no buraco e na minha terra isso se chama glory hole.

Finalizado o serviço, esperei o bophy sair do banheiro e ainda fiquei alguns minutos lá sentada, tirando um cochilo pós-chupeta. Voltei pro meu lugar mais feliz e com a pele mais vistosa. Joanete me olhou com aquela cara "Você chupou um pau, né?".

Já falei que ODEIO quando eu fico manjada pelas amigas, néam!?

Um beijo,
Maddyrain

Personal Jesus

Acoustic
Single Version
Holier Than Thou Approach
Pump Mix
Kazan Cathedral Mix
Telephone Stomp Mix
Timo Maas Remix
Boyz Noize Rework
Heartthrob Rework 2
The Stargate Mix
Eric Prydz Remix
M.A.N. Remix
Alex Metric Remix
Alex Metric Remix Edit
Alex Metric Dub
Sie Medway-Smith Remix
Sie Medway-Smith Dub
Sie Medway-Smith Instrumental

Lift up the receiver and then you're a believer...

Meu edy é santo:
Aim, vamos começar falando de rola? Só pra variar? Então, sempre achei o Dave Gahan, vocalista do Depeche Mode, um tesãozinho. Super envelheceu bem, mas tem cara de ter nequinha. Acho a voz do bophy super séquisi e mega abaixava a calcinha pra ele, principalmente se ele viesse cantar a versão Acoustic no meu ouvidinho.
"Personal Jesus" já andava nos meus planos de aparecer e estrear o Depeche Mode por aqui no blog fazia tempo. Desde a época de Jesus Luz e Madonna! Que loucura! Sempre gostei dessa música e acho válida apresentar pras biluzinhas desinformadas do recinto.

Se joguem na Single Version do veterano François Kervokian. Uma versão super gostosa meio rock... meio dance... meio electro do final dos anos 80... meio meu kool. Peguem também o Holier Than Thou Approach, uma deliciosa versão extended, e aproveitem a onda François K pra se jogarem no Pump Mix, que é mais instrumental.
"Personal Jesus" foi relançada algumas vezes desde o lançamento original. Da primeira safra de remixes novos, o Timo Maas Remix não é assim o ápice da piroca doce e grande, mas é interessante.

Mais recentemente, o Depeche Mode lançou um álbum cheio de remixes novos pros seus clássicos. Craro que "Personal Jesus" foi remixada novamente e com bastante coisa válida, começando pelo The Stargate Mix, que deixou a música bem gostosinha e atual. O Eric Prydz Remix é mais club diva e SUPER merece uma bateção de cabelón das bilus colocadas. O M.A.N. Remix também segue essa linha loka do kool.
Por fim, o Alex Metric Remix me soa mais como uma atualização pro remix do François Kervokian. Interessante também. O Sie Medway-Smith Remix é mais legal e tem toda uma vibe psicodélica com bastante ácido que muito me agrada.

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela