Pietá

Acordei sentindo a chuva caindo no meu rosto e queimando onde eu tinha levado soco, murro, chute e pontapé. Tudo doía. As costelas pareciam estar todas quebradas. As pernas, moídas. Os braços estavam cheios de manchas vermelhas. Senti um aperto na barriga e vomitei na calçada. Olhei ao redor e a rua tava deserta. Socorro! Tem alguém aí pra ajudar, garai? A chuva tava forte e queimava levemente a pele. Tentei ficar de pé, mas não tinha condições. De repente lembrei do Fabinho. Fabinho! Diana Ross, cadê ele?! Me segurei num orelhão e fui me levantando aos poucos. Estalei os ossos inteiros das costas. Jesuis, como pode tudo doer tanto? Malditos.
A iluminação alaranjada da Avenida Paulista já tava fraca. Devo ter ficado desmaiada por horas! Fabinho! Cadê você? Fui andando sem destino pela Paulista. A chuva tinha lavado qualquer rastro que pudesse me levar até o Fabinho.

Encontrei uma caçamba de lixo e um impulso me levou até lá. Olhei pra dentro e encontrei o corpo completamente moído e machucado de Fabinho das Bananas. Fabinho! Diana Ross! Fabinho! Entrei na caçamba. O sangue se misturava com o lixo. Alguns ratos pularam pra fora quando eu entrei. Acorda, meu amor! Acorda! Como é que se sente o pulso de alguém, Jesuis?! Como é que eles fazem na TV? Tentei pegar a pulsação dele, mas não consegui. Abri os olhos, mas eles olhavam pro nada. Abracei o corpo dele contra o meu e comecei a chorar. Filhos da puta! Como puderam espancar um velho pirocudo e indefeso!? Ordinários.

_ Esse aí tá morto, moço.
_ Ai, que susto! Quem é você!?
_ Você tá na MINHA caçamba. Eu é que pergunto quem é você!
_ Vim retirar o corpo do meu amigo daqui de dentro.
_ Posso ficar com o cobertor dele?
_ Cumé?
_ Ele não vai mais precisar desse cobertor. Posso ficar com ele?
_ Xente, que horror! Me ajuda a tirá-lo daqui de dentro e eu te dou o cobertor dele. - eu e o mendigo velho tiramos o corpo do Fabinho de dentro da caçamba. Tentei checar novamente se ele tava vivo, mas tudo comprovava o contrário.
_ Não adianta, moço. O jeito é você levar o corpo lá pra baixo e tentar vender os órgãos antes que a polícia apareça.
_ "Vender os órgãos"?! Você tá achando que eu vou mutilar meu Fabinho das Bananas e sair vendendo as peças, que nem um computador velho!? Claro que pagariam muito bem pela neca, mas isso seria muito maldoso, até mesmo pra mim!

Arrastei o corpo até a Augusta e comecei a descer com o corpo pendurado no meu ombro. As ruas molhadas faziam meus pés escorregarem. Cai várias vezes. Conforme ia descendo a Augusta, algumas figuras estranhas iam se aproximando de nós dois. Claro que ninguém parou pra ajudar.
Uma abusada chegou bem perto de mim. Pensei que fosse ajudar, néam? Que nada! A maldita tentou arrancar o sapato do Fabinho! Sai pra lá, demônio! Xispa! Onde já se viu!? E vocês todos aí no escuro?! Vão só ficar olhando ou vão ajudar?! Bando de ordinários! Alguns sairam correndo, outros continuaram onde estavam, sem se mexer. Ningúem veio ajudar.

Cheguei na parte mais baixa da Augusta com o kool na mão. Completamente suja de sangue e lama, ningúem vinha mexer comigo. Acharam que eu fosse uma de suas moradoras. O cheiro de merda começou a avançar sobre mim. Jesuis... cagaram no mundo! A chuva tinha parado e eu conseguia ouvir o barulho da correnteza do Viaduto do Chá. A visão era tétrica. O Teatro Municipal, completamente imundo, tinha virado algum prédio do governo. Alguns guardas estavam na porta, mas as ruas desertas e escuras encubriram minha presença. Caminhei até o Viaduto e passei pelo antigo Shopping Light, também sujo e mal cuidado.

Parei numa das muretas do Viaduto e não aguentei mais o cheiro podre da região. Vomitei no rio de esgoto que passava sob os meus pés. Diana Ross, como pode o ser humano ser tão porco!? Se bem que quem sou eu pra falar, néam? Não cago flores também. Debrucei o corpo do Fabinho na mureta, dei um beijo de despedida e joguei o corpo no rio. A correnteza de merda era forte e levou o corpo dele pra longe rapidamente.
Parece que toda força que usei pra carregar o corpo do Fabinho por tanto tempo tinha se esgotado naquele momento. Desabei na rua do Viaduto, completamente exausta. Preciso fechar os olhos só por dois segundinhos... Preciso esquecer que tô aqui, nessa cascata de merda. Ouvi barulho de saltos altos andando pela rua e olhei pro lado. Alguém vinha em minha direção, mas o inchaço nos olhos não ajudavam muito pra reconhecer quem era a mulher vindo até mim.

_ Levanta, vinhado.
_ Não pode ser. Você tá morta. Me falaram que você morreu, bunita.

_ E morri mesmo, vinhado. Mas você não vai morrer. Não hoje. Vem cá, me dá sua mão. Vou te ajudar. Credo, andou comendo o que? Tá pesada!
_ Muita carne de rato. _ Se apoia em mim. Tem um passagem secreta que vai até a entrada do submundo aqui embaixo. Vou te levar até a entrada, mas não poderei te ajudar no túnel até lá. Você terá que ir sozinha. Não pode parar nunca, tá entendendo, vinhado? Não pare nunca.
_ Tá bom...
_ É aqui. Manda um beijo pra Kilo Minhoca. Diz praquela desmiolada maneirar no padê, porque ela é a próxima na lista e a vez dela tá bem próxima.

_ Obrigadjénha, Litta. Sem você, eu não teria conseguido... teria morrido naquele viaduto fedido!
_ É pra isso que servem as amigas.


Entrei no túnel escuro e úmido. Parecia não ter fim. Fui andando sem parar, pisando em sei lá eu o que. Não sentia mais dor nas pernas ou nos braços e comecei a correr pelo túnel. Devo ter pisado em alguns ratos pelo caminho. Não sei quanto tempo passei correndo, mas cheguei até uma entrada secreta do submundo, completamente desprotegida. Reconheci o quarto. Tô no quarto do Fabinho! Aim, que loucura! Fui até a tenda de Kilo Minhoca e Joanete Filha do Jack.

_ Maddie! O que aconteceu com você?!
_ Deu merda, gata. Pegaram eu e o Fabinho na Paulista. Bateram na gente. Fabinho morreu. Tô toda quebrada, molhada, com sono e amanhã é meu primeiro dia de emprego!
_ Ai, que horror!
_ Calma! Pra Coco Chanel tudo tem um jeito! - Joanete abriu um baú, revirou algumas revistas e CDs antigos do Michael Jackson e voltou com um kit de maquiagem da Chanel - Guardei minha maquiagem por todos esses anos. Você tem que acreditar no poder da Chanel!

Joanete Filha do Jack reconstruiu meu rosto e apagou minhas feridas com a maquiagem. Fiquei impressionada! Também, pudera, néam? Chanel, meu amô! Sempre achei Avon coisa de pobre.

Um beijo,
Maddyrain

Move On Fast

Dave Audé Club Mix
Dave Audé Mixshow
Dave Audé Radio Edit
Dave Audé Club Dub
Dave Audé Dub Dub
Ralphi Dub
Richard Morel Vocal Mix
Richard Morel Edit
Richard Morel Dub
Chris the Greek Panaghi Club Mix
Chris the Greek Panaghi Dub
Digital Dog Club Mix
Digital Dog Radio Edit
Digital Dog Dub
WaWa Club Mix
WaWa Radio Edit
WaWa Dub
WaWa Instrumental
Yiannis Acceleration Club Mix
Yiannis Acceleration Radio Edit
Yiannis Acceleration Dub
Nacho Chapado & Ivan Gomez Vocal Mix
Nacho Chapado & Ivan Gomez Dub
Twisted Sound + Vision Vocal Mix
Twisted Sound + Vision Dub
Emjae Club Mix
Emjae Underwater Dub
Timmy Loop Bluelight Remix
Timmy Loop Infinity Dub

Nothing's gonna last so roll a bit of grass...

Chupa meu edy rápido:
E o retorno triunfal da diva underground das bilus djidjéias ao blog! Xente, eu simplesmente ADÓGO quando pegam a esquisita da Yoko Ono e enfiam uns remixes goela abaixo da bunita! Fico... assim... daquele jeito! "Move On Fast" é novinha, pra não dizerem que eu só posto velharia por aqui. Saiu neste ano, então ahazzem nos remixes atuais!
Vamos começar pelo atual Deos Guêi, Dave Audé! Olha, eu sei que o bunito cansa vez ou outra com seu estilo club de sempre, mas quando ahazza, ele AHAZZA! Se joguem no Dave Audé Club Mix! Uma loucura e dá pra bater bastante o cabelón pra lá e pra cá. Se gostar, pega também o Dave Audé Club Dub! Uma delícia instrumental pra deixar tocando enquanto você varre a casa e dá aquele close gostoso no cabo da vassoura! Outro que sempre ahazza nos dubs é o Ralphi Rosario e pra "Move On Fast" ele tava muito cansado e decidiu só fazer o Ralphi Dub, sem vocal mix. Um ahazzo e mega travesti! Não preciso nem dizer!

Aconteceu alguma coisa com o Richard Morel ao passar dos anos e ele perdeu um pouco a mão nos remixes. Saudades da época em que ele assinava como Pink Noise... Enfim, o Richard Morel Edit tá de bom tamanho pro estilo que ele adotou no remix. Uma coisa meio pop rock.
A coisa fica mais animadinha com o Chris the Greek Panaghi Club Mix. Um dance bem gostoso e válido. O WaWa Club Mix também segue essa mesma linha, mas o DJ fez alguma coisa com o vocal da Ono! Não sei explicar! Ficou mais... triste (!?). Vai entender! Pra você deslocar o pescoço e perder a piruka na buatchi, se joga no Yiannis Acceleration Club Mix! Tem até buzina de carro no meio do remix pra ficar todo contextualizado!

Um remix super bonitinho e com cara dos anos 80 e Atari é o Emjae Club Mix! Mega recomendado! Esse eu tenho CERTEZA que mexeu nos vocais da Yoko Ono! A loka! Curiosamente, o Emjae Underwater Dub é COMPLETAMENTE diferente do club mix e segue uma linha mais "calma lá minha filha" muito bonitinha também. Os outros remixes que eu não citei não são ruins, mas estou cansada hoje... Um beijo.

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela