Dias de um futuro esquecido

Sempre brinquei com a ideia de uma realidade pós-apocalíptica, mas quando você abre os olhos e se encontra numa completamente ahazzada e destruída, olha... juro que meu edy piscou! Virei pros lados desesperada e só via predos em ruínas, com vestígios de gente vivendo entre escombros. Nas calçadas, carros queimados estacionados e mendigos dormindo ao redor de fogueiras improvisadas feitas com sucata. Corri até um.

_ Gato, me ajuda! Onde é que eu tô?
_ Não me toca! Você não tem esse direito!
_ Aim, desculpa! Nunca encontrei um mendigo sentimental! Que loucura! Onde é que eu tô, garai!
_ Olha, dona moça, pelo tamanho dessa poça de sangue na sua roupa, você devia estar era no hospital, isso sim. Bom, se houvesse algum por perto... - olhei pra baixo e vi que meu vestido roubado tava todo ensanguetado ainda.
_ Se você não me falar onde eu tô, juro que te toco todinho! Com muito nojo, mas toco!
_ Dona moça deve ter batido a cabeça no acidente. Você tá em São Paulo, ué! No que sobrou da região baixa da cidade!
_ Xente... que lugar de São Paulo é esse?
_ Aqui era onde ficava a antiga Rua Augusta.

Pa-Pum! Um raio me acertou. Xente... o que será que aconteceu com o mundo? Olhei ao redor, dando mais atenção aos (poucos) detalhes da região. Algumas construções ainda estavam de pé, mas completamente desgastadas pelo tempo. O neon das buatchis foram retirados ou quebrados há anos. Uma pichação na parede dizia "O amor não mora mais aqui". Decidi entrar na história do mendigo e retirar mais informações do cafuçu.

_ Gato, eu levei um baque muito forte. Tô... assim... mega lesada. O que é essa tal de cidade baixa?
_ Tadinha da dona moça... - ele parecia que comentava tudo que falava com alguém ser invisível - Dona moça, a região baixa é toda a área pra baixo da Avenida Paulista! - e gesticulava como se estivesse falando a coisa mais óbvia do mundo - Depois da guerra, tudo que não faz parte da Avenida Paulista ou dos bairros de gente rica, é região baixa de São Paulo.
_ Mas tá tudo asssim, destruído?
_ Claro! Onde é que você esteve durante a guerra?
_ Sei lá! Dormindo? E que guerra é essa?
_ Aí eu não lembro, dona moça. Eu levei uma bala de raspão na cabeça e perdi toda minha memória. Tudo que sei é que acordei jogado no rio debaixo do Viaduto do Chá e fui salvo por uns freiras malucas!
_ Xente! Tem um rio lá?!
_ Claro! E porque é que a dona moça acha que se chama "Viaduto do Chá"? Quando os canos de esgoto foram estourados, aquela região alagou completamente, formando um rio de sujeira que parece chá. Pronto, tá explicado. Agora me deixa porque eu tô com fome e já vi que não sai comida de você, mesmo com essas roupas chiques.

Deixei o mendigo pra trás e decidi seguir até a Avenida Paulista. A Rua Augusta tava irreconhecível. Os puteiros e buatchis do passado foram substituídos por inúmeros cortiços ou foram simplesmente varridos do mapa. Alguns prédios ainda resistiam aos efeitos do tempo, mas eram carcaças vazias ou habitadas por xente corajosa que se arriscava a cair a qualquer momento. Olhei pra trás e percebi que era seguida por umas duas criaturas que deviam ser mulheres debaixo daquela sujeira empregnada em cada parte do corpo. Os olhos vermelhos me cobiçavam. Xente, será que o mundo é dominado por lésbicas?! Só pode ser! Por isso tá tudo fodido assim! Virei pra trás, arranjei coragem e gritei:

_ Guegueéam? Tão me seguindo por que?
_ Passa a sua roupa chique pra cá! - e apontou um estilete pra mim.
_ Xente, você quer roubar a minha roupa!? Tá loka? E eu vou andar como na rua?!
_ Pelada! - e pulou pra cima de mim. Lutei com a força do travesti brasileiro, joguei uma longe e a outra me cortou o rosto com o estilete.
_ Aim, filha duma puta! Você cortou o meu rosto! - o sangue escorria até minha boca - Vai ficar cicatriz! MORRO DE NOJO DE CICATRIZES! SE EU GOSTASSE DE CICATRIZ, NÃO TINHA RECUSADO O SEAL ANOS ATRÁS! VAGABUNDA!

Parecendo uma mutante saída da novela da Record, voei pra cima da safada com as unhas engatilhadas e rasguei o rosto dela. Na verdade, só arranhei a sujeira que cobria o rosto dela. Ela saiu correndo pra um lado, e eu pro outro, em direção à avenida. A subida parecia não acabar. Aquele cenário cinza e destruído nunca acabava. O barulho de carros e movimentação humana foram ficando cada vez mais próximos. Quando estava quase no famoso cruzamento da Augusta com a Paulista, uma gritaria chamou minha atenção.

_ O fim tá se aproximanu! Ela virá novamente pra nos salvar! Iremos todos deixar esse mundo de sofrimento e iremos dançar na buatchi dela!

Reconheci o timbre da voz! Charlotte Chandelle! Desmontada, é verdade, mas ainda era a Charlotte Chandelle! Gritava com um mega fone na boca e carregava uma placa dizendo "O FIM ESTÁ LÁ FORA!". Gritei o nome dela num momento de pausa, ela me encontrou, arregalou os olhos e desmaiou. Xente! Matei a vinhada!

Plastic Dreams

Long Version
Radio Edit
Single Edit
Groove Mix
Tribal Mix
Trance Mix
Rhythm Masters Remix
Pascal F.E.O.S. Remix Part 1
Pascal F.E.O.S. Remix Part 2
David's Dream
David Morales Full Length Club Mix
David Morales Club Mix
David Morales Radio Edit
Bass & Drum Mix
Angel Moraes Remix
Boom Boom Satellites Remix
Hohner Retro Mix
Mr. YT Remix
Peshay Remix
T.C.'s Remix
S & S Radio Mix
Murk Funky Green Dub
2003 Remix
2003 Radio Edit
MC Version
Retro Mix
LSD Remix
Lee-Cabrera Remix
ATFC "Plastic Surgery" Remix
Tayo + Acid Rockers Remix
Twisted Individual Remix
Andrea Doria "Is It Breaks" Remix
Switch Remix
Micky Slim's Bomb Squad Mix

tu tu ru... tu tu ru...

Chupa meu edy de plástico:
Xente! Hoje é dia de crássico aqui no blog! Se você NUNCA ouviu "Plastic Dreams" na sua vida, se mata, renasce e vira lodo! Aim, que exagero! Tadinha da bilu desinformada! Mas enfim, "Plastic Dreams" é o maior hit do Jaydee e tocou em todo lugar do mundo. Se joga no Single Edit. Acho que "Plastic Dreams" é atemporal. Podia ter sido lançada ontem. Uma delícia completamente instrumental e com batidas numa pegada meio o que? Trance? Sei lá. Dos remixes originais feitos pelo Jaydee no lançamento single, gosto muito do Groove Mix, que deixa a música mais house. As outras versões são bem esquecíveis.
Como já era de se esperar, "Plastic Dreams" foi relançada ad infinitum e ainda tá longe de ser esquecida. Selo "Neca Gostosa" absoluto! Todo mundo já quis pegar nessa música! Claro que no meio de TANTO remix, tem muita merda, então só vou mencionar o que eu considerar interessante, tzá? Além disso, a listagem tá em ordem cronológica. Sou uma bilu muito informativa!

O deus house David Morales é a primeira indicação de hoje. Imagino que ele devia estar meio de saco cheio e decidiu fazer um remix ENORME de 15 minutos e dividi-lo em outras três versões, só pra fazer volume. Se joguem no David's Dream que é o remix mais completo. A parte mais gostosa ficou justamente editada até mesmo no tal Full Lenght Club Mix que não é tão inteiro como gostaria de ser. Pras menos corajosas, se joguem no David Morales Radio Edit então. Já dá pra sentir o glamour house com pianinhos que só o Morales sabia fazer. As macumbeiras do recinto irão gostar do Bass & Drum Mix. Fika a dika.
O Angel Moraes Remix também segue essa linha house, mas um pouco menos pintosa, com uma pegada bem gostosa e meio dark room. Recomendo! O Murk Funky Green Dub também é gostoso e digno, como quase tudo do Murk Boys. Saudades deles! O restante dos remixes dessa leva de remixes pra "Plastic Dreams" caminha entre o sofrível e o estranho.

As coisas não melhoraram muito nos lançamentos seguintes. O 2003 Remix dá uma renovada na música, deixando ela mais acelerada, mas nada tão bom quanto a versão original. O Lee-Cabrera Remix é esperto em não destruir a versão original e acrescentar um clima mais buatchi na música. O mesmo vale pro ATFC "Plastic Surgery" Remix. Válido como reinterpretação da original. O restante fica pras mais corajosas do recinto!

Maddyrain não tem, Maddyrain quer:
Aim, vocês perceberam que até padeiro, pedreiro e motorista de ônibus colocou as mãos em "Plastic Dreams", néam? Então é ÓBIVEO que tem algumas coisinhas que eu não encontrei, mas sempre tem algum leitor mais colecionista que eu!

drum mix 10:08
def mix 8:00
rainforest mix 6:44
shanin & simon re-construction 6:30
angel's dream 10:00
murk big ass mix
miami heat beats
frank de wulf remix 6:55

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela