Última chance para ser feliz

Aim, agora que Roxxana Veludo finalmente conseguiu a posse da Ilha do Bororé e as obras por lá começaram, eu e as meninas ganhamos um quarto de hóspede cada uma pra "qualquer eventualidade". A bunita virou pra xente e jogou na nossa cara:

_ Amores, agora que sou uma diva construindo meu império paradisíaco, não posso me dar ao luxo de aguardar que meus empregados venham do kool de Judas até mim. Enquanto estarei ocupada na futura ex-Ilha do Bororé, vocês irão morar na minha mansão. Nos quartos de hóspedes, claro. Nunca pensei em hospedar a criadagem, mas enfim. Já vou avisando, não quero nada de sujeira! Vocês das classes sociais mais baixas têm a péssima mania de sujar tudo que tocam!

Fiz uma contorção super circense pra não soltar um peido de raiva. Xente, eu não conheço ninguém mais limpinha que eu! Tá pensando o que?! Reuni toda minha indignação e escolhi o quarto que eu já tinha ficado na última vez em que precisei fazer hora extra. Morar na mansão trazia vantagens e desvantagens. Por exemplo, agora não dava mais pra xente dar a elza nas roupas da bunita. Pra onde a xente ia levar o babadu?! Pros quartos de hóspede? Não dá, néam? Aprendi com quem tem anos de experiência que quando você rouba algo, você tem que usufruir do bafón bem longe!
A principal vantagem era que a bunita passava praticamente dias fora de casa. Eu já tava até esquecendo que trabalhava, completamente livre, leve e solta sem ninguém enchendo o meu saquinho feminino. Pigmaleão também havia debandado pra Ilha do Bororé pra assessorar nas obras e Fabinho da Bananas me evitava tanto quanto eu o evitava.

Kilo Minhoca e Litta Walitta também viviam dias de glória. Sem ter Roxxana Veludo por perto pra levar até o Shopping Cidade Jardim a cada cinco minutos, Kilo Minhoca passava o dia tomando sol escondida atrás da garagem. Mais parecia uma lagartixa. Que medo! Outro dia surgiu na cozinha tão bronzeada que eu cogitei seriamente que a bunita tinha ido pro Nordeste e não tinha me chamado!

_ Ai, Maddie. Descobri uma receita imbatível pra ficar morena! Quem me ensinou foi Suellen Regina.
_ Aposto que ela aprendeu na TV, néam?
_ Ai, como você sabe? A bichinha é tão boazinha... Mas como eu tava te falanu, o futuro da nação é passar Coca Cola na pele e ficar estirada no sol! Que nem um calango!

Se o futuro da nação é esse, quero morrer jovem! Litta Walitta tinha desencanado completamente de cozinhar qualquer coisa que não fosse salsicha ou lasanha da Sadia.

_ E você acha mesmo que eu vou abrir meu Dona Benta agora que não tem ninguém nessa casa além de nós, meros serviçais, e o Fabinho das Bananas? O bophy é tão neandertal que tem comido Hot Pocket há dias e nem percebeu!
_ Gata, eu já percebi faz tempo!

Outro dia, acordei no meio da noite com uma sede terrível. Calcei minhas pantufas do Taz Mania e fui pra cozinha. Me agachei no chão embaixo da pia e comecei a revirar as panelas.

_ Aim, cadê aquela Absolut? Eu sei que a Litta anda escondendo o ouro aqui embaixo. Achei!
_ Achou o que?
_ Aim, que susto! - levantei num pulo e bati a cabeça na parte de cima do granito da pia - Aim, máguêgarai! Eu podia estar morto, caído no chão, com traumatismo craniano e tudo!
_ Não exagera, Alejandro. O que você encontrou aí embaixo?
_ Uma garrafa de vodka pra momentos como este, em que eu tô morrendo de sede. - tive um lampejo de compaixão e soltei - Quer dividir?
_ Opa, claro! Coisa boa a gente nunca recusa. - Diana Ross sabe como eu adógo dividir bebida.
_ E a Ilha do Bororé? Tá ficando bunita?
_ Você ainda não foi lá ver? Roxxana destruiu quase tudo. Está remodelando tudo.
_ Ah... tô sabendo.
_ Tenho boas lembranças de lá. Eu nasci lá. Vivi minha vida inteira lá. Conheci o grande amor de minha vida lá...
_ Roxxana Veludo?
_ Não... minha ex-noiva. - virei o copo de vodka pura garganta abaixo. Ele acompanhou.
_ Qual era o nome dela? - sou a mestra fazer a Joana Sem Braços!
_ Maddyrain. Você deve conhecê-la. Era muito famosa nas baladas de gay.
_ "Maddyrain"? Hmm... acho que já li o nome dela em algum flyer. E por que você não tá com ela?
_ Porque a vida dá voltas. Roxxana Veludo apareceu com uma proposta de futuro melhor. Pagou meus estudos à distância, reformou meus dentes e me contou que ela havia matado meu irmão. - malditos cursos à distância!
_ Mas você amava essa Maddyrain mesmo sabendo disso?
_ Muito. Eu nem tinha tanto contato assim com meu irmão. Íamos casar e tudo. Mas eu abandonei a coitada no altar. Virgem e tudo. Coitada... nunca mais ouvi falar dela. Tudo que sei é que virou freira.
_ Xente... você deve ter fodido com a vida dela...
_ Só voltei a sentir a mesma coisa por alguém recentemente.
_ Tô sabendo...
_ Alejandro... eu... eu acho que te amo. - aim, meu sangue gelou. Xente! Quanto tempo que não me falam isso!
_ Aim... gomoasí? Você nem me conhece direito! Como é que pode me amar?
_ Eu acho que te conheço de outras vidas.
_ Tô sabendo... hoje eu tô sabendo de muita coisa. - virei outro copo. Ele fez o mesmo. Enchi os dois copos até a boca. Preciso comprar outra garrafa amanhã! Ele virou o copo de novo. Aim, não vou encher de novo, naum! Vai acabar com minha vodka sozinho!? Pegou na minha mão e veio se aproximando.
_ Você tem medo de ser feliz?
_ Eu só tenho medo da bebida acabar e da neca do bophy ser menor do que o esperado. De resto, tudo é encarável.

Pegou meu rosto e me beijou na boca. Aim, é tão gostoso beijar bêbada. O hálito com o mesmo sabor de bebida que a sua. Me joguei nos braços fortes de Fabinho das Bananas e fui mulher ali mesmo, no chão da cozinha. E me fez mulher again and again. Duas horas depois, eu tava toda fodida, gozada e feliz, bebendo o que havia restado da minha dignidade com vodka pura. Me pegou no colo e fomos até meu quarto.

_ Vá embora agora. Preciso dormir pra acordar cedo amanhã.
_ Deixa eu dormir com você.
_ Naum! Se as meni... se Fernando ou Roberto verem, será uma fofocaiada só. Não quero que Roxxana Veludo saiba que tenho dado pro bophy dela enquanto ela não tá em casa.
_ Amanhã iremos fugir disso tudo. Tenho como pegar o dinheiro de Roxxana. Vamos viajar pra Europa e constituir família lá.
_ Tá bom. Vá dormir. Não me alimente com sonhos.

Fechei a porta e me joguei na cama. Aim, que loucura! Fugir! Ser feliz no exterior! Será que chegou minha hora de ser feliz, Brasil!?

Um beijo,
Maddyrain

Another Chance

Original Mix
Radio Edit
S-Man's Dark Nite Mix
Tom de Neef Vocal Mix
Tom de Neef Dub
Mr G's Last Chance Mix Edit
Miguel Migs Naked Nitetime Rework
Afterlife Mix

If I had another chance tonight...

Mais uma chance pra você chupar o meu edy:
Meu amô, você já assistiu o clip de "Another Chance"? Xente, eu juro que já chorei vendo esse clip! Acho tão bonitinha a forma como ele mostra como as pessoas realmente se assustam com nossas expectativas. A vida é bem por aí mesmo. Lançada em 2001, "Another Chance" é um dos maiores hits do Roger Sanchez e é mega fofa. Se joga no Original Mix. Tem todo um clima "sozinha e infeliz no club" que já deve ter levado algumas depressivas ao suicídio!

Infelizmente, nenhum remix de hoje é uma coisa de outro mundo ou deixou a música ainda melhor. O Mr G's Last Chance Mix Edit é super buatchi com dark room acoplado. O Miguel Migs Naked Nitetime Rework tem aquela coisa Miguel Migs de ser... uma coisa entre o soulful e o classic house. Super bonitinho. E, por fim, o Afterlife Mix. Porque eu acredito no poder do lounge e chill out!

Maddyrain não tem, Maddyrain quer:
Aim, xente! Não esperava que fosse tão difícil encontrar algumas versões pra Another Chance! Vê aí na sua coleção se você tem as versões abaixo, fazofavô?

tom de neef radio edit
tom de neef beats
miguel migs mood pusher dub
mr g's last chance mix
mr g's last chance dub
christoff mix

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela