Xanas limpas vão pro céu, xanas sujas...

Depois de limpar o banheiro ultra mega bosteado do meu andar, encontrei a Irmã Keep Cooler escondida dentro de um armário cheirando tudo até a última ponta.

_ Ah! Mas você vai ter que me deixar cheirar RIGHT NOW!
_ Shhh! Vem cá! Entra aqui.
_ E eu lá sou trav... eu lá sou freira de entrar no armário com outra? Sai pra lá que eu não sou mulher de colar o velcro! Me dá um pouco! Ahhhh... much better.
_ Já limpou tudo?
_ Já, não sobrou nada.
_ Não tô falando da coca, Irmã. Limpou o banheiro?
_ Ah, tzá. Já. Não sobrou uma gota de merda pra contar história. Posso ir tomar sol agora?
_ Tá louca? "Tomar sol"! Agora tem o banheiro liberado do térreo. Aquele banheiro será sua prova de fogo, querida.

Xente, até gelei quando ela falou "banheiro liberado". Na minha cabeça padezada, "banheiro liberado" é aquele banheirão da buatchi onde pode rolar a pegação geral sem nenhum segurança vir encher o saco. Será que rolava todo um dark room no convento e eu não tava sabendo? Desci pro térreo montada no esfregão que nem uma bruxa de Blair pós-depressão asmática. Eu sou a piranha do banheiro, adoro um banqueiro, e boto pra quebrar. Inhaím, Irmã? Tá boa? Onde é o banheiro liberado? Lá fora? Aim, que estranho. Abri a porta pra rua. Uma muvuca sem fim. Os camelôs vendiam de tudo, de mães enlatadas a banha de baleia assassina. O banheiro liberado era ao lado do convento. O cheiro forte de mijo misturado com merda escapava por debaixo da porta como uma entidade maligna. Misturei o padê com o nojo e chamei o Hugo ali mesmo.

_ Jesuis! Tá loko que eu vou limpar isso aqui! Limpar pra quê? Tô fora! Hey você! Você mesmo, demônio. Te dou um baseado se você limpar esse banheiro pra mim.

Eu gosto de xente desesperada por padê. Eles fazem qualquer negócio por um pouco de alívio espiritual. Voltei pro convento e encontrei a Irmã Keep Cooler batendo papo com a Irmã Capirinha de Saquê.

_ Já terminou!?
_ Já, ué. Sou rápida quanto tô inspirada.
_ Mas isso é impossível! Aquele banheiro tem crostas que não saem nem com reza brava.
_ Eu sou uma mulher muito religiosa.
_ Hm, tá bom. Agora é hora do banho das irmãs mais velhas.
_ E eu com isso? Eu vou tomar o meu sol sossegada.
_ Ah, vai. Você vai é me ajudar a lavá-las. Você acha que elas conseguem lavar as partes íntimas sozinhas? Precisam de ajuda. Da NOSSA ajuda. - fiquei bege ali mesmo.

Fomos até a ala das irmãs mais velhas. Irmã Dreyer... Irmã Cynar. A Irmã Brahma exalava um cheiro fortíssimo que vinha do urubu podre que ela tinha no meio das pernas. Irmã Keep Cooler segui na frente e eu atrás no comboio da velharada fazendo bônus aqui na Terra.
O procedimento todo era muito demorado e doloroso ao extremo. Chegando no banheiro, tínhamos que ajudá-las a tirar as roupas, metê-las debaixo do chuveiro e ensaboar os urubus com direito a corrimento e toda uma saga de mistérios vaginais super... aim, acho que nem existe palavra pra descrever, viu? Como diria Lady GaGa, I'm speechless... Eu devo ter sido uma vinhada muito má na minha vida. As velhinhas não conseguiam nem ficar de pé direito, então eu e a Irmã Keep Cooler revezávamos; uma segurava a velha enquanto a outra metia a mão na massa (vaginal). Na minha vez de lavar, eu pensava em todos os filmes pornôs da BelAmi que eu já assisti na minha vida pra distrair a mente. Também pensava em todos os perfumes franceses que já senti pra poder disfarçar aquele Avon estragado que impestiou o banheiro.

Felizmente, não eram muitas as irmãs mais velhas. No final, todas voltaram pros seus quartos perfumadinhas, cabelinho prateado pentiado, obrigado aqui e nunca me senti tão limpa ali. Voltei pro meu quarto depois de um dia longo de trabalho e mandei o banho de sol pro bueiro. Fiquei pensando como é engraçada a vida. O inferno de alguns e o paraíso pra outros. Pra mim, lavar aquele monte de velha foi um suplício, mas sabe que no final, quando todas estavam cheirosinhas e bonitinhas marchando pros quartos, achei que tudo valeu a pena? Tantas vezes deixamos de fazer algo por alguma frescura tola e que poderia significar tanto para os outros...

Um beijo,
Maddyrain

Paradise

Extended Remix
Extended Instrumental
Remix
Extra Beats
Ronin Remix

I'd give you the world if it was mine...

Chupa meu edy com rum:
Xente, por essa vocês não esperavam, néam? Sade! Aquela das músicas de motel, consultório médico e elevador! E, mesmo assim, dona de uma coleção de hits enorme. Pra você ver como o povo atóram música assim, néam? Eu acho um looshu ter a coletânia da Sade em casa. É algo essencial na vida de toda pessoa, que nem a coletânia do Roxette. Todo mundo tem que ter!

Paradise é super conhecida e foi tema da novela "Vale Tudo". A loka. Maddyrain tem um conhecimento limitado de novelas, mas acha válido e fofolete quem se joga nas trilhas sonoras pré-anos 2000. Bom, como a xente tá falando de uma música de 89, não esperem a revolução musical hoje. Podem se jogar no Extended Remix, que é exatamente isso que você tá pensando, e a Extended Instrumental pra praticar seus dons vocais, se é que você os tem.

1 Bilus felizes:

ne-oz disse...

Eu estava louco para ver Sade nos Blogs que ando acompanhando!

Valeu!

E parabéns pelo espaço! Sempre passo e me divirto!

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela