A diva da mandioca

Eu, Shana Shanshada e Kelly Caleche estamos levando uma vida de deusa. Deusa indígena, tzá? Passamos os dias completamentes nuas, copinho feito com casca de coco cheio de pinga na mão e algum índio necudo nos acompanhando pra lá e pra cá. Eu digo Me coça, sou coçada. Eu digo Me toque, sou tocada. Eu digo Me limpe, e sou "limpada". A loka. Mas eu sou uma bilu cosmpolita, vocês sabem. Já tô com a paciência super "enchida"... quero voltar pra civilização. Será que tem civilização em Manaus ou só índio engravatado fingindo que é empresário? Além disso... não aguento mais mandioca. Tudo aqui é na base da mandioca: quando acordo, meu café da manhã é bolinho de mandioca com suco de mandioca. O almoço é algum tatu assado com molho de mandioca. À noite, algo mais leve, néam? Onça pintada frita com creme de mandioca assada. Até pra fofar tem mandioca... uma loucura. La India veio me visitar na minha oca.

_ Buenos dias, Maddyrain!
_ Inháim, India. Tá boa?
_ Maddyrain, o que usted fez com a sua oca? Donde arranjaste essa tinta rosa?
_ Mandei meu cafuçu até a cidade comprar uns baldes e pintar. Tô cansada desse estilo rústico. É palha e casca de alguma árvore em todo lugar. Tava faltando um toque guêi.
_ Ay que guapo que estás! Usted queria hablar comigo?
_ Queria, gata. Olha, o negócio é o seguinte: eu passei por uma experiência sobrenatural babada e acordei nesta vida completamente phemynyna.
_ No compreendo.
_ Tá vendo essa xaninha que te encara? Ela não é de mentira, gata. Não comprei no crediário como as outras travestis. Renasci mulher. Tenho todos os componentes de fábrica.
_ Ay que loucura!
_ Só que eu cansei de ser mulher, India. Você às vezes não se cansa de ser mulher? De ficar menstruando toda hora... e o humor? Olha, não é fácil ser mulher!
_ Mas quem te hablou que seria fácil ser una mujer? Se todos los hombres soubessem como é ser una chica, non viravam travesti. Pruento hablei.
_ Pois é, gata. O que é que você e suas entidades indígenas podem fazer por mim?
_ Bom... temos lo ritual de la mandioca, mas nunca testamos em seres humanos... solamente em ratitos.

La India me contou todo o bafão do ritual da mandioca. Parecia que alguma entidade misteriosa e protetora das mandiocas do mundo aparecia e concedia uma neca nova pra pessoa. Ai, que emoção! Eu ia voltar a ser uma travesti completa com minha tão kérida falecida neca! La India foi conversar com o pajé e preparar tudo pro ritual. Fiquei debruçada na janela da minha oca com uma índia cantando na minha orelha e catando piolhos. Aim, amores. Eu sou uma biluzinha limpa, mas tô no meio da jungle amazônica. Não dá pra usar meus creminhos todos os dias, o que dirá o xampu?

_ Gata, por que será que a neca é tão importante pros bophys, até mesmo pros bophys phêmeas como moi?
_ Anhanguera ixé tupiaku.
_ Você acha? Será mesmo que toda biluzinha gostaria de se autochupar? Olha... eu sou uma das poucas guêis que conheço que otéiam receber boketji. Eu e Kilo Minhoca.
_ Tu ui ui ui Tui kutuk anhangabaú!
_ Aim, calma, gata! Puxa com menos força!
_ Peri?
_ Não vou falar! Você é muito abusada de querer saber o tamanho da minha finada neca! Que índia mais abusada!
_ Tu ui ui ui ui sacurumi!

Olhando aquela tribo inteira andando pra lá e pra cá, fazendo nada de especial, fiquei pensando na minha vida na cidade. Quando é que a xente consegue ficar debruçada na janela olhando o dia a dia dos outros? Não dá tempo... é sempre alguma coisa nova pra fazer. Quando é que a xente consegue plantar e colher mandioca? Tomar tucupi com algum narcótico misterioso? Aliás, esse povo índio é dubabadu pra descobrir narcóticos desconhecidos pelas leis brasileiras! Vou levar um monte pra São Paulo. Quando tiver batida policial, vou falar que estou provando alguma erva qualquer amazônica e quero ver ser presa de novo só porque gosto de colocar! Peguei duas escovas de cabelo, dei uma pra índia e ficamos brincando de dublar duetos. Eu sou a Janet e você é o Luther Vandross, gata. Vamos ahazzar na dublagi enquanto ainda sou mulher!

Um beijo com carinho do Amazonas,
k'u no pr'eg (Maddyrain em tupi)

The Best Things In Life Are Free

Instrumental
CJ's UK 12" w/ Rap
CJ's UK 12" w/o Rap
CJ's UK 12" Edit w/o Rap
CJ's UK 7" w/ Rap
CJ's UK 7" w/o Rap
CJ's FXTC Dub
CJ's Vinyl Zone Dub
CJ's Macapella
Classic 12" w/ Rap
Classic 12" w/o Rap
Classic 7" w/ Rap
Classic 7" w/o Rap
Def Version
MK 12"
K Klass 12" CD Version
K Klass 7"
S-Man Salsoul Vibe
S-Man Deep Dub
S-Man Ill Dub
Roger's Nasty Dub
Roger's Bonus Beats

Do you judge me by my cover?

Chupa meu edi que é crocante:
Nossa, fazia tempo que a Janet Jackson não aparecia por aqui, néam? E hoje ela volta acompanhada! Tadinha... acompanhada de um defunto, mas abapha... Esse é o mesmo Luther Vandross que me deixa toda cagada em Endless Love com a Mariah Carey. Quem sabe mais pra frente ele não dá o ar de sua graça de novo por aqui, néam? Olha, já me falaram uma vez que americano ATÓRAN dizer que "as melhores coisas da vida são de graça". Ah sim... meu kool.

O single de hoje foi lançado duas vezes. Os primeiros remixes ficaram a cargo dos super kéridos e talentosos, CJ Mackintosh e David Morales. O CJ Mackintosh tava todo empolgado da piruka dele e fez uma cacetada de remixes pra encher a linguiça. Como eu não sou uma biluzinha com muita paciência pra esses raps inconvenientes e essa putaria toda de versão editada com ou sem rap, se joguem no CJ's UK 12" Edit w/o Rap que tá com a qualidae ótema e dá pra dançar bastante. Puro garage house de looshu, meus amores! E vamos ahazzar mais um pouquinho com os maravilhosos dubs CJ's FXTC Dub e o CJ's Vinyl Zone Dub. O primeiro me borra toda logo no começo com aquele pianinho ahazzante! House de qualidade, meu amor. Não esse electro tribe que a senhora acha que é música!
E não vamos esquecer do house glam do David Morales com o Classic 12" w/o Rap. Uma delicinha, mas super lugar comum. O babadu underground está no Def Version que é um dub ahazzante disfarçado. Atóron!

Depois a Janet relançou a música pra sua primeira coletânia, Design of a Decade, e todo mundo quis colocar a mãozinha nos vocais. Ainda bem que só xente de categoria! O MK 12" é um house mais contido, mas glamouroso. É aquela bicha mais discreta, sabe? Só vai pro dark room quando não tem ninguém olhando. O K Klass 12" é aquela bichinha mais animada que atóra soltar a franga. Ou seja, nós. Se joguem!
O Roger Sanchez também tava animadinho quando pegou essa música pra remixar. Vai ver recebeu bastante! O S-Man Salsoul Vibe tem quase 12 minutos de siriricagem, mas não é uma coisa muito club. Acho o S-Man Deep Dub, que não é nada deep aliás, mais club, mas nada muito jogativo. O S-Man Ill Dub tem uns gritinhos da Janet pra xente liberar todas as frangas presentes em nosso ser. Atóron! Enfim, variações do mesmo tema, sem muitas inovações.

Maddyrain não tem, Maddyrain quer:
Olha, o pedido de hoje é missão impossível, mas enfim... eu ainda acredito no poder da Internet!

dub mix 4:27
k klass 12" 9:27
s-man salsoul vibe edit 7:00

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela