Maddyrain no País das Rolas Maravilhosas

Terceiro Capítulo

Enquanto seguia pela floresta do País das Rolas Maravilhosas, Maddyrain começou a ouvir alguém chamando pelo seu nome. Bem, não necessariamente o seu nome.

_ Ô psit! Ô da poltrona!
_ Ai, não!! Era só o que faltava: o Didi por aqui! - Maddyrain voltou-se para trás e viu, formando em pleno ar, primeiro duas bolas e em seguida o resto de um cacete enorme - Diana Ross! Uma flying neca!
_ Eu sou nenhuma flain néca! Eu sou a Piroca de Xereca.
_ Mas que nome contraditório! Por que você não muda pra Piroca na Xereca?
_ E por que você não muda o seu nome pra... Qual é o seu nome mesmo?
_ Maddyrain.
_ Ah, você é que é a Maddyrain. - a piroca falava mexendo sutilmente uma boquinha minúscula na cabeça.
_ Será que você pode me ajudar, hein? Eu preciso encontrar a Travesti de Cócoras. Ela mora num castelo?
_ Não. É uma buatchi. Eu sei o caminho... mas terá um preço...
_ Eu já sei. Você quer padê. Hoje em dia tudo é na base do padê, já reparou? Olha, piroca, eu tô sem padê aqui, mas quando eu chegar em casa eu tenho um monte debaixo do taco solto.
_ E eu lá sei o que é padê, Maddyrain? Eu quero uma bimbada. Abaixa a calcinha. Preciso dar uma gozadinha.

Sem pensar duas vezes, Maddyrain ficou na famosa e gostosa posição em que Napoleão perdeu a guerra e foi comida por uma neca sem corpo. É praticamente um dildo vivo! pensou Maddyrain. E que dildo faminto! A loka! Depois de muito brincarem, chegou a vez da Piroca da Xereca mostrar o caminho para a buatchi da Travesti de Cócoras.

_ Siga sempre em frente, caminhoneira.
_ Só isso?
_ Só. Ah, quase me esqueci! Não deixe de tomar um chá com a Cantora Maluca.

Maddyrain continuou andando pela floresta até encontrar uma enorme clareira com uma mesa de chá colocada. Apenas três pessoas estavam à mesa, mas o silêncio era tão grande que todos dormiam. De repente, um enorme relógio cuco pendurado em um árvore começou a gritar.

_ Hora do chá! Hora do chá! Hora do chá!
_ Ai, que loucura! É a hora do chá!
_ Björk! Você por aqui!
_ Björk não! O meu nome é Bijórqui!

Björk levantou-se da cadeira e subiu na mesa. Completamente careca, a única coisa que cobria suas partes íntimas era um ganso morto. Começou a cantar Alarm Call e os outros dois convidados acordaram. Kate Bush e David Bowie ainda bocejavam enquanto Maddyrain tomava seu lugar à mesa.

_ Vamos todos orar.
_ Oremos.
_ Comemos.
_ Vamos todos orar. Agradecemos a mais um chá diário à querida Travesti de Cócoras. Aleluia.
_ Não sabia que você era tão religiosa, gata.
_ Não sou, mas se não rezo antes de tomar o chá, posso me engasgar. O que é isso aí na sua mão?
_ São cogumelos pro tamanho.
_ Cogumelos alucinógenos!
_ Não acredito! Você veio ao lugar certo! Sabe esse chá aí que você tá tomando?
_ Não é chá de cogumelo alucinógeno!
_ Não é não! É chá de calcinha da Kate Bush!
_ Por isso tem esse gostinho todo especial! - Maddyrain cuspiu o que ainda estava na boca e falou com a língua pra fora.
_ Que horror! Isso não se faz! Dar chá de calcinha pra uma bilu tomar!
_ E eu tava mestruada! Por isso tá vermelhinho!
_ Vamos fazer chá com o seu cogumelo!
_ Naum! Esse cogumelo é pra eu ter o tamanho certo! - David Bowie foi mais rápido, pegou os dois pedacinhos de cogumelo e jogou para Kate Bush. Completamente inebriada pelo odor deles, Kate Bush enfiou os dois pedaços no nariz. Björk gritou:
_ Tira isso do nariz! É pra gente fazer o chá com os cogumelos, não com sua caca de nariz... de novo!

Enquanto Bowie e Bush seguravam a histérica Maddyrain, Björk jogou os cogumelos em um bule com água fervente e bebeu uma xícara do chá. Tudo explodiu em cores. Passou o bule para os outros dois cantores. Maddyrain estava desesperada.

_ Xente! E agora! Ai que uó! Celebridade loka do kool é tudo igual! Me dá uma xícara dessa merda agora! Também mereço me colocar.

Enquanto o chá de cogumelo alucinógeno ia afetando violentamente suas sensações e percepções da realidade, Maddyrain escorregou da mesa e seguiu pela floresta deixando pra trás um ménage à trois entre os cantores. Sem saber como e quando, Maddyrain se viu em um estacionamento. Encontrou uma fila gigantesca e, como toda brasileira, se enfiou nela.

_ Escuta, dá licença. Deixa eu perguntar? Pra que é essa fila?
_ Pra entrar na boate da Travesti de Cócoras. Só entra quem a biluzinha da porta quer. - felizmente, a door da buatchi era a biluzinha magra e branquela que trouxera Maddyrain para esse mundo doido.
_ Aim, que tudo! Aquela biluzinha uó que me trouxe pra cá. Deixa eu ir lá falar com ela. Inhaím, meu amô? Tá lembrada de mim?
_ Maddyrain! Você chegou! Vamos entrando! Vamos entrando!
_ Aim, que fácil! Um beijo, meus amores! Fila é coisa de xente sem contatos!

Alarm Call

Radio Mix
Locked
Gangsta
Phunk You
Potage du Jour
Enough is Enough Mix
Rise and Shine Mix
Alan Braxe and Ben Diamond Remix
Alan Braxe and Ben Diamond Edit
Teasmade Dub
Snooze Button Mix
Reprosession Mix
Bjeck Mix
Rhythmic Phonetics Mix
Speech Therapy Mix

You can't say no to hope...

Chupa meu edy que é conceitual:
Atendendo ao pedido do meu kérido @sodaindie, eis que temos o retorno de Björk por aqui. Alarm Call não fez um sucesso loko do seu kool, mas o clip é super dubabadu e foi dirigido pelo finado Alexander McQueen. Que Diana Ross o tenha. Como todos os singles da fase Homogenic, os remixes são aquela coisa muito conceitual pra xente chegar gostar completamente. O Radio Mix é uma gracinha e mil vezes melhor que a versão original. Dizem que ela fez essa música pro Michael Jackson. Será que é verdade? Mark Bell reconstruiu e desconstruiu Alarm Call de tudo quanto é jeito. A versão Locked é super bonitinha e parece música de video game. Gangsta segue a linha eletrônica com batidas um pouco mais marcadas. E a Potage du Jour é um pouco mais jogativa e até dá pra dançar um pouco. E só isso que a xente pode recomendar vindo do Mark Bell.

O kérido Alan Braxe ahazzou com seu estilo chique e phyno com o Alan Braxe and Ben Diamond Remix. Uma coisa bem glam pra você tocar na sua festa quando virar rica. O Teasmade Dub também segue a linha club e é super recomendado! O Snooze Button Mix não é jogativo, mas é interessante. Um pouco mais calmo e gostoso pra deixar tocando enquanto você limpa a casa. Agora, meu amô, todo o resto a xente ignora. Tem drum 'n' bass, remix de kool que é rola do Beck e aquelas coisas horríveis e sinistras que só o Matmos faz por você.

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela