A despedida de solteira da Maddyrain - Parte II

Os moradores da Ilha do Bororé estavam todos com as perninhas pra fora, sentados nos umbrais das portas de seus cafofos, debruçados nas janelas apreciando a brisa que vinha da Represa Billings. De repente, não mais que de repente, avistaram a balsa vindo pra ilha. Plumas, purpurina, lantejoulas.


_ VIADO À VISTA!
_ Maddyrain, a vinhadada chegou!

Ao desembarcar na ilha, a biluzada encontrou os aborígenes que não estavam acostumados com tanto brilho artificial e made in 25 de Março. Devido ao peso extra de tanta armação pra plumas, as águas da represa invadiram o chão de terra batida da ilha, transformando tudo numa grande poça de lama.

_ Avemaria, o que são vocês?
_ Inhaim, gata. Meu nome é Charlotte Chandelle. Vim pra despedida de solteira da Maddyrain, aquela vinhada, e vou rezar o casamento amanhã.
_ Avemaria! Deus me livre de vocês!
_ A loka. Você quer um boá pra te deixar um pouco mais colorida?
_ Não acredito que estou afundando minha Melissinha todinha nesse lamaçal!
_ Tudo pelo casamento de Maddyrain!
_ Maddyrain é diva!

A biluzada foi caminhando aos trancos e barrancos até o Bar do Oswaldo. Algumas super cairam no meio do caminho e chegaram lá completamente lambuzadas. Eu tinha ahazzado na decoração e pendurado uma cortina de seda vermelha em volta da entrada do bar. Subi num banquinho e comecei a dublar Girls Just Want to Have Fun da Cyndi Lauper pra recepcionar a viadada, rezando pra não fazer a Beyoncé e cair no meio da performance.

_ Inhaím, meus amores! Aim que loucura! Até a Kelly Caleche veio com a Shana Shanshada! Que fofas!
_ E você acha que eu perderia o casamento do ano?
_ Obrigada pela presença de vocês. Como não cabe todo mundo no meu cafofo, eu vou armar umas barracas no meu quintal, porque amanhã é o casamento e quero todo mundo bela e glamourosa.

Puxei uma cordinha e as cortinas abriram revelando nada além do tradicional Bar do Oswaldo. Não tive tempo pra redecorar o lugar por dentro e os bebuns se recusaram a largar o habitual copinho americano de cachaça. Peguei um tapume e coloquei todo mundo atrás dele, perto do banheiro. Pra combater o cheiro que saia do ralo, peguei um frasco de Toque de Amor que tinha vencido e joguei bueiro abaixo. A bicharada olhou pro interior do bar com desconfiança. Cindi Loka me puxou num cantinho.

_ Gata... a sua festa vai ser nesse buteco?
_ Ai, vai... - só olhei a cara da vinhada - É a única buatchi da ilha, sabe?

Litta Walitta apareceu de trás do bar com dois copos vazios na mão e ar de perdição. As pás da batedeira na cabeça da bunita já estavam todas tortas.

_ Ai... vocês chegaram? Hey, DJ! Se joga no batidão! Coloca som nessa birosca! Eu quero dançar! - subiu no bar deixando pra trás um Oswaldo desolado.

Todas as minhas amigas bilus e travestis estavam presentes. Até mesmo meus seguidores no Twitter. Super fofinhos. Você não pode falar que é "bebida de graça" e vem xente até do Amazonas (néam, Kelly Caleche?!). LuvSuxxx descobriu os bebuns atrás do tapume.

_ Gente! Achei algumas espécies originárias da ilha atrás do biombo de madeira usado em construções! Olha que chique!

A festa comeu solta madrugada a dentro. Os banheiros viraram banheirão dark room. O depósito de bebida virou banheirão dark room. Atrás do bar virou banheirão dark room. O Bar do Oswaldo virou banheirão dark room. Ninguém precisou se hospedar no meu cafofo. Todo mundo desmaiou onde estava. Acordei com alguém balançando minha cabeça.

_ Acorda, Maddyrain!
_ Litta! Você já acordou?
_ Gata, o seu casamento! Esqueceu!? É daqui a pouco! Você tem que acordar pro seu dia de princesa!
_ Aim, me deixa... Não quero mais casar.
_ Vai, bunita! Eu chamei o Jacques Janine especialmente pra fazer o seu dia de noiva! Charlotte Chandelle! Acorda também! Você vai rezar a missa, esqueceu?! Aim, será que sempre eu tenho que estar lúcida!
_ Té parece...

Fui pra casa cambaleando, escorregando aqui e ali na lama da Ilha do Bororé. Cheguei no cafofo, sentei num caixote em frente ao espelho. Meu cabelo comprado em suaves prestações todo duro e marrom. Parecia que eu tinha feito uma sessão de spa com argila no rosto. Tudo marrom e ressecado. Abri uma caixinha de sapato, olhei uma foto e comecei a chorar.

_ Gata... eu vou casar, você acredita? Não? Nem eu... Amanhã eu deixo essa vida de perdição! Essa vida de sexo descomplicado, desencanado e desasossegado. Deixo essa vida de glamour noturno. Troco tudo por um avental atrás do fogão. Vou constituir família. Deixar gozar dentro. Morrer de amores. Comprar um poodle e mimar como se fosse meu filho. Sangue do meu sangue. Amanhã, eu deixo o mundo pra trás... Amanhã é o dia do meu casamento!

Um beijo,
Maddyrain

Girls Just Want To Have Fun

Original Version
Extended Version
Fun with V. Knutsn: Instrumental
Xtra Fun
Remix (better quality, thanx to Cindi Loka!)
Radio Remix (better quality, thanx to Cindi Loka!)
Girls Just Wanna Have Fun X Set Your Heart
Girls Just Wanna Have Fun X Set Your Heart (Mashup)

Oh girls just wanna have fun...

Chupa meu edi que eu gosto:
Amô, deixa eu falar. Se você NUNCA ouviu Girls Just Want to Have Fun você realmente acabou de ser expelido da xaninha da sua mãe pra esse mundo cão. Não é possível! Eu acho que as pessoas deviam já nascer com essa música inserida na cabecinha. Se você não tem essa música no seu computador, pega RIGHT NOW a Original Version. Deliciosa. Os anos 80 em sua melhor forma. Imagine se Madonna tivesse gravado essa música... Provavelmente não teria a mesma graça. Continuando a linha 80's power, se joga na Extended Version que super ahazza em toda festinha. As outras versões da época são, basicamente, dubs que não fogem da versão original.

Lá pros meios dos anos 90, Junior Vasquez aproveitou a boquinha e a amizade com a Cyndi Lauper pra remixar o maior hit da bunita. Podem pegar a versão Remix. Não é um bate cabelo house como o habitual do bunito, mas é uma delícia. Batidas um pouco mais dark e alguns poucos vocais regravados. Recomendado!
Por fim, as versões mais novas feitas pelo Richard Morel que mesclam Set Your Heart, do último disco da bunita. A versão recomendável é a Mashup. Mais bem feitinha e com menos cara de "feita nas coxas", sabe? Atóron! Os vocais novos também são uma gracinha. Podem pegar porque vocês vão gostar!

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela