A perdição de Terezinha Dêgezuis

Eu sempre achei que o mal deve ser morto pela raíz. Que nem quando eu peguei piolho numa excursão sexual pela Bolívia. Com uma dor no coração, fiz a Carolina Dickman, rapei a cabeça e virei Maddyrain, a trava careca durante um bom tempo.
Passei o resto do Carnaval matutando o que eu faria com Terezinha Dêgezuis. Ninguém chupa o meu homem e sai ilesa do processo. Litta Walitta me chamou pra irmos no Gala Gay.

_ Gata, você não vai no Gala Gay neste ano?
_ Naum.
_ Mas a Monique ligou outro dia e disse que queria te entrevistar pra fechar a participação dela no Gala Gay com chave de ouro.
_ Meu kool com passas pra ela. Aim, Litta! Eu tô aqui forjando um plano perfeito pra me livrar de Terezinha Dêgezuis! Faz um favor? Vai no Bar do Oswaldo e compra uma garrafa de Dreyer pra mim.
_ Não! Não vou permitir que minha amiga se jogue nas drogas por causa de uma racha!
_ Eu SOU uma racha agora, Litta! E o Dreyer não é pra mim.

Mais à noite, Litta foi pro Gala Gay montada de ferro de passar roupa. Uma coisa... assim... toda metálica e soltando água pela boca. Super conceitual. Chamei Terezinha Dêgezuis pra tomar um drink. Ela me apareceu fantasiada de Geyse Arruda.

_ Maddyrain! Não te vi no desfile da Unidos da Ilha do Bororé! Você foi fantasiada do que?
_ Cobra naja.
_ Eu fui de freira sensual! Nem te conto o que eu fiz durante o desfile...
_ Ah, mas vai me contar sim! Posso te fazer um drink, gata? O que você bebe?
_ Água, por favor.
_ Craro. Àgua com Dreyer, sua canalha.
_ O que?
_ Água com gás ou sem gás, amô?
_ Sem gás. - peguei meu copo de requeijão da Turma da Mônica, enchi mais da metade com Dreyer, um pouquinho de água e raspas de limão - Maddyrain! Essa água tá escura!
_ Ah, eu tô com um problema nos canos, mas a água tá limpinha. Eu coloquei umas raspinhas de limão pra dar uma amenizada no gosto.
_ Hm! Que horror! Que água forte!
_ É pra deixar sua história mais interessante.

E a bunita começou a me contar como foi chupar o cacete do Fabinho das Bananas. Disse que agachou ali mesmo na rua, colocou a benga dele pra fora e começou a chupar até se engasgar toda. Espantada, disse que recebeu um telefonema no dia seguinte de uma tal de Brasileirinhas chamando ela pra atuar num filme com o Kid Bengala. Dei uma risadinha cínica e inocente. E toma mais um pouquinho de Dreyer no rabo! Às 2 da madrugada, a bunita tava trançando as pernas, tinha tirado a calcinha e coçava a xavasca olhando pra mim.

_ Você precisa depilar essa xana, né?
_ Depila pra mim? Sempre quis saber como é ter outra mulher mexendo na minha vagina.
_ Vou ignorar seu comentário e não dar na sua cara porque sei que você tá bêbada. A água acabou. Vamos no Bar do Oswaldo pegar mais.
_ No Bar do Oswaldo!? Não posso! É o lugar do Satanás!
_ Mas é o único lugar do Satanás com água na Ilha do Bororé!

Fui carregando Terezinha pelos ombros. A bunita começou a cantar Rocket do Goldfrapp. Chocada, parei e a bunita começou a escorrer pelos meus braços. Dei-lhe um tapa na cara com muito gosto. As pessoas precisam acreditar mais no poder do tapa na cara.

_ Acorda, racha! Aonde você aprendeu essa música?
_ Que música?
_ Essa que você tava cantando, sua loka!
_ Eu inventei, ué.

Toma mais um tapa só porque você é mulher e chupou a neca do meu bophy. O Bar do Oswaldo tava lotado de bêbados. Uma loucura. É hoje que você vira mulher, minha filha.

_ Inhaim, meus amores. Nossa bebida acabou...
_ Opa, Maddyrain! E quem é a sua amiga?
_ Oswaldo, seu safadinho, não tá reconhecendo a Terezinha Dêgezuis?
_ Nossa! Aquela crente?
_ Oi, criaturas do inferno! Eu quero mais água de encanamento enferrujado!
_ Ela quer uma dose caprichada de Dreyer, gato. - acomodei a bunita num banco do balcão e ela começou a cair pra trás - Lindinho, vem cá. É, você mesmo, inferno. Fica aqui fazendo massagem na minha amiga, senão ela vai escorregar pro chão.
_ Maddyrain, tô com calor! Quero tirar a roupa.
_ Tira! Tira! Tira!
_ A voz do povo é a voz de Deos, meu amô. Tira logo essa roupa.

A bunita tirou a roupa e os bebums cairam como hienas em cima da carne. Primeiro ela recusou e tentou afastar aquele monte de mãos com chutinhos no ar, mas acabou cedendo aos encantos dos prazeres da carne e gemia alto.

_ E você, Maddyrain? Não vai querer levar rola?
_ Não. Hoje eu tô diboa.

A porta do banheiro abriu e Fabinho das Bananas saiu de dentro. Me viu no bar, esboçou um sorriso safado. Olhou praquela muvuca no chão e viu Terezinha Dêgezuis sendo devorada viva. A cara fechou numa expressão de nojo terrível e saiu correndo do bar chorando. Que fofo.

_ Ai que loucura! Me senti uma personagem má do Sidney Sheldon hoje! Atórein!

Rocket

Radio Edit
Richard X One Zero Remix
Richard X One Zero Radio Edit
Richard X One Zero Dub
Richard X Eight Four Remix
Ralphi's Hypersonic Vox
Ralphi's in Hyperspace Dub
Tiësto Remix

Tiësto Radio Edit
Grum Remix
Grum Radio Edit
Penguin Prison Remix

Danger, heartache, something has died...

Chupa meu edi que eu gosto:
A mocinha do Goldfrapp entupiu o edy de padê e foi parar nos anos 80. Só pode! Rocket é uma gracinha e super diferente do electro loko do seu respectivo kool de Strict Machine e White Horses. Podem pegar a Radio Edit pra conhecerem. Uma delicinha. Me dá vontade de colocar minhas polainas e sair dançando pelo mundo!
O meu kérido Richard X nunca erra e sempre acerta meu ponto G. O Richard X One Zero Remix é uma delícia. Super moderninho e dance phyno, sabem? Perfeito praquelas biluzinhas pós-contemporâneas que passam a maquiagem da mãe antes de sair pra buatchi. Peguem também o Richard X One Zero Dub pra deixar tocando enquanto vocês limpam a casa. Um looshu! O Richard X Eight Four Remix é mais electro e jogativo. Super recomendado!

Os novos remixes do Ralphi Rosario são ÓTEMOS. O Ralphi's Hypersonic Vox é bem batidão, com um trecho bem dark e club diva, do jeito que a biluzada gosta. Craro que o Ralphi's in Hyperspace Dub é mais babadu, néam? Não preciso nem comentar...
O
Tiësto Remix é aquela coisa... básica e Tiësto way of life. Não super faz a minha cabeça e prefiro o glamour do Richard X. O Grum Remix não foge muito da versão original. Ou seja, é super anos 80! Uma delícia! Será que é o retorno dos sintetizadores dos anos 80 nos remixes? Queremos flash house RIGHT NOW! O Penguin Prison Remix é estranho e não empolga. Podíamos ter ficado sem ele.

0 Bilus felizes:

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela