Chuva

Depois de ler tantas cartinhas e cansar a vista com tantos erros de português, peguei no sono. Tadinha da bilu que havia mandado a última cartinha. Babei tanto que a carta dela ficou completamente impossível de ser lida! Vai ganhar um dildo como prêmio de consolação (literalmente)! Acordei com o barulho do vento entrando pela janela e bagunçando minha mesa de trabalho. Ai que loucura! Um twister de cartas!

Olhei no relógio e já tinha passado da hora de travesti estar na avenida trabalhando. Sai do meu escritório e encontrei a porta do Setor de Reencarnação aberta. Ai, entro ou não entro? Posso ou não posso? Não posso, mas vou entrar mesmo assim porque sou transgressora!

O Setor de Reencarnação era um salão enorme com várias câmaras lacradas. Cada câmara tinha uma pessoa esperando seu momento de voltar à vida. Fui andando entre aqueles corpos deitados, todos sorrindo e ouvindo e ouviam música no fone de ouvido. Pela primeira vez na morte, senti uma serenidade tão grande.

De repente, não mais que de repente, todo o tempo parou. O vento parou de uivar. A neve parou no ar. Sentei ao lado de uma das câmaras.

Há um ano atrás, eu não conseguia pensar em outra coisa que a minha pista VIP pro show da Madonna. Eu nem podia acreditar que veria a bunita de perto. Há um ano atrás acordei entre agitos e lágrimas pra receber a notícia do seu adeus. Como um passarinho no meio da noite, você voou para a cidade de Viena e eu nem consegui me despedir direito. Aliás, é sempre assim. Nunca conseguimos nos despedir devidamente na última vez. É tão difícil enfrentar a última vez que preferimos pensar que haverá sempre um amanhã. Mas não houve.

Sinto muito a sua falta, vó. Em vida, a situação toda já havia cansado um pouco. Com tantos netos, por que só dois se preocupavam com você? Mas hoje... ai hoje... como sinto sua falta. Como é difícil chegar em casa e não te ver sentadinha no sofá, mantinha no colo e o gato cochilando ao lado. Como é difícil correr pra sala e não te encontrar lá. E esse monte de coisa que eu gostaria de conversar com a senhora? Essa vontade de te abraçar e receber seus elogios de novo?

A casa ficou tão mais vazia. Sinto falta até do que me incomodava.

Hoje, há um ano, fui ao show da Madonna com lágrimas nos olhos. Enfrentei uma chuva terrível pra realizar um de meus sonhos antigos e para sempre lhe dedicarei Rain, uma de minhas músicas favoritas da Madonna. Aquela que deu origem ao meu nome de guerra.

Dizem que nada morre enquanto houver a lembrança. Você nunca estará morta, pois sempre será lembrada e, embora eu nunca pude lhe agradecer pelas mil e uma coisas que fez por mim, para sempre carregarei o arrependimento de não ter aproveitado mais a sua presença.

Durma bem. Durma para sempre. Sorria e torça sempre por mim e perdoe minhas falhas. Volte e viva uma vida alegre. Estarei sempre contigo. Um dia voaremos juntos para a mítica cidade de Viena, aquela que você sempre prometeu me levar.

Hoje e sempre...

A câmara ao lado emitiu um barulho de panela de pressão. Levantei e pude ver o sorriso de papai enquanto voltava para o mundo dos vivos. Abri a tampa de vidro, passei a mão em seu rosto e senti enquanto seu corpo ia desaparecendo. Vida longa a você também...

Rain

Album Edit
Radio Remix
Radio Remix Instrumental
Remix Edit
Razor & Guido Club Mix

Your love is coming down like...

1 Bilus felizes:

Andrey disse...

Shoray, muito lindo. Minha avó também se foi, viu ela lá? E meu vô? Deu um dildo pra ele também né? rs.

Maddyrain é etherna. Sempre.

Beijas <3

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela