Cyndi Lauper - She Bop

[modo "Maddyrain Loyola" on:]

Masturbation c'est le future!

Antes de começar, posso deixar um recadinho pra Madonna?
VAI TOMAR NO KOOL, SUA VELHA MORFÉTICA! A SENHORA NÃO ENTRA MAIS NO MEU BLOG ATÉ SEGUNDA ORDEM, SUA ORDINÁRIA. PEGA EVERYBODY, MUSIQUINHA CHATA E REPETITIVA DE 1980 E NADA E ENFIA NO EDI! JURO QUE MINHA VONTADE É TE PROCESSAR POR SER TÃO CHATA COM UMA MÚSICA VELHA!

Ufa, prontofalei? Como nossa querida e adorada diva bitch fez o favor de deletar o post anterior com Everybody, para quem não leu e está perdidinho da silva, eu, Maddyrain Loyola, estou jogada nos anos 80 sem saber como voltar. Tudo aconteceu depois de abrir uma caixinha muito bonitinha e pronto, cá estou. Moro num apertamento minúsculo que daqui 20 anos será um hotel de péssima categoria da família Hilton e conheci recentemente uma amiguinha artista plástica, a Charlotte Chandelle. Acho que o nome dela era outro ontem, mas enfim, agora é este.
Conheci Charlotte Chandelle discutindo sobre o suposto cabelo black power de Madonna, mas se eu soubesse que aquela putinha faria isso comigo, juraria de pé juntos que até a xaninha dela é toda black power!

Mas, voltemos à programação original agora que todo mundo está por dentro das novidades.

Nâo acredito que vim parar nos anos 80 e não trouxe um vestidinho de Yves Saint Laurent. Toda vez que abro meu suposto guarda-roupas e vejo aquele monte de polainas, calças de aeróbica... Não fui criada na Suíça e tive um caso com Tom Ford para passar por este tipo de situação.

No dia seguinte recebi minha primeira visita oitentista: Charlotte Chandelle. Juro que não lembrava ter dado meu endereço para ela durante nossa primeira noite utilizando os mais poderosos narcóticos proibidos por leis brasileiras de minha vida. Sentamos na mesinha da cozinha, uma coisa assim, super A Grande Família:
_ Maddyrain, hoje irei te levar ao cinema.
_ Gata, tenho até medo de perguntar o que está passando.

O cinema ficava numa região lindíssima da cidade já nos anos 80: a Praça da República. Para quem tem a infelicidade de não morar em São Paulo e não está por dentro da maior cidade do Brasil, a Praça da República é o antro de trombadinhas, hippies e, à noite, bichinhas vindas da periferia. Um povo muito gostoso e pitoresco, principalmente quando enjaulado e longe do público.

O cinema era justamente o que eu esperava: um cinemão de putaria.
_ Tenho certeza de que você irá adorar!
_ Charlotte, não coloquei meu casaquinho de zebra combinando com minha botinha de jaguatirica pra sair toda respingando porra alheia, né?

Adentramos o recinto. Um cheiro de porra ressecada que até vez meus olhinhos inocentes lacrimejarem. Um lanterninha foi iluminando o caminho: toda uma gama de espécies gays ajoelhadas pagando um kétji. Alguns se entretiam assistindo o filme na tela: dois bigodudos ( provavelmente idosos ou mortos em 2009) trepando na base do cuspe e sem camisinha, óbvio.

Sentei bunitinha, cruzei as pernas e comecei a acompanhar o enredo. Virei para um lado, Charlotte Chandelle já estava perdida no meio das pernas de um cafuçu enorme. Virei para o outro lado, uma bofinho até que do bem batendo uma punhetinha básica.
_ Vem cá, vem.
_ Eu?
_ É.
_ E Maddyrain Loyola lá tem cara de quem bate punhetinha sem cobrar?

Abri meu drops de hortelã e me joguei. Eu e Charlotte Chandelle saimos do cinemão parecendo que tínhamos ido a uma partida de paint ball. A bichinha tava toda de preto então ficou mais evidente a sessão de tiro ao alvo. Passamos em uma lanchonete para comer um greek bbq (aka. churrasquinho grego, mas é mais chique falar em inglês) maravilhoso com Grapette. Me senti totalmente nos anos 80!

Na frente tinha um Mappin gigantesco vendendo TVs enormes, com uns botões gigantescos e umas antenas looshuosas. Ficamos comendo o churrasquinho e assistindo Cyndi Lauper cantando She Bop.
_ Uma miguxinha minha do futuro é doida por essa maluquete.
_ Ai gata, você ainda tá com esse papo de aranha de que é do futuro?
_ Mas eu sou meu amor! Tava procurando emprego e vim parar aqui!
_ Você ainda precisa de um emprego? Aonde eu trabalho estão precisando de gente assim, que nem você.

Não entendi o que ela quis dizer com "gente assim, que nem você". Imaginei um trabalho glamouroso, looshuoso e cheio de divas.

Maddyrain Loyola.

[modo "Maddyrain Loyola" off.]


Cyndi Lauper - She Bop

Single Version
Special Dance Mix
Instrumental

I bop, you bop, they bop...

Selo "Chupa meu Edi" de Qualidade:
Podem pegar tudo meus amores. Três remixes não machucam ninguém, mesmo só na base do cuspe.

3 Bilus felizes:

madonna disse...

não pensei que se ofenderia por pouco, achei que gostasse quando te dizem que certas músicas tem mais versões, como já li várias vezes no seu antigo blog, e ficava agradecida. Então vai se ofender também se eu informar que faltou a versão She bop (Hot Tracks Remix)(5:40)?

Maddyrain disse...

Ai gata, eu fiquei ahazzadaaaaaa! Onde já se viu a senhora vir aqui e mandar deletar Everybody!? E agora?!

Olha, enqt a senhora continuar com essa putice pra cima de mim, não vou postá-la mais! E estava planejando postar Dress You Up, posso?

E gata, só trabalho com remixes oficiais. Essas cagadas de Hot Tracks etc. não me interessam.

Ah, by the way, as versões que você falou de Everybody... uma enorme... não é oficial.

Beijinho.

madonna disse...

hum entendi quanto aos rmxs oficiais, mas eu nem mandei deletar tópico nenhum lôca, anyway, adoro seu blog e seu conhecimento musical, você é uma das poucas que comentam sobre os remixes, o que ajuda muito. Como sou de 77 já viu, me delicio com os posts oitentistas e de house que você disponibiliza, beijos e sorry!!!

Alô?! Maddyrain chamando!

Você acaba de adentrar as entranhas do mundo de Maddyrain, uma profissional da "náiti guêi" de São Paulo que ama house music e decidiu fazer a boazinha e compartilhar parte de seu acervo musical.

Filhos da Maddyrain

Ocorreu um erro neste gadget

Maddyrain recomenda!

Arquivos da Maddyrain

Você é da caravana de onde?

Clientes:


Mais detalhes da clientela